|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
Costa a Costa - Conversas Cruzadas
Costa a Costa - Conversas Cruzadas

Conversas Cruzadas

Costa a Costa

12 jul, 2020 • José Bastos


Nuno Botelho, João Matos Loureiro e Pedro Braz Teixeira na análise do draft de António Costa Silva.

O documento pedido por António Costa, primeiro-ministro, a António Costa Silva, gestor e consultor, Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica e Social de Portugal 2020-2030, tem já uma versão preliminar para a retoma da economia portuguesa no pós-Covid19.

O programa de recuperação solicitado por António Costa ao gestor da Partex é a base de trabalho do governo para o período de resgate da economia, designado por day after e que deverá contar com 26 mil milhões de euros de Bruxelas.

No “plano Costa Silva” o gestor alerta para o que aí vem “ainda será pior” calculando que “o país pode vir a enfrentar uma das piores crises de sempre: "a queda do PIB em 2020 acima dos 12%", quase o dobro das previsões do novo ministro João Leão e inscritas no Orçamento Suplementar.

António Costa Silva deixa ainda um aviso com sentido de urgência ao governo: “a partir de setembro 2020 a situação de muitas empresas pode deteriorar-se e é fundamental existir no terreno um programa agressivo para evitar o colapso de empresas rentáveis, que são essenciais para o futuro da economia portuguesa”.

No documento a sugerir a rápida ‘electrificação’ descarbonizando a economia, “acabar com as isenções ao consumo de petróleo e transição energética a favor das renováveis”, também são elencados "os constrangimentos marcantes da economia portuguesa": dívida pública elevada, fiscalidade desadequada e, entre outras, capacidade industrial inadequada.

O documento preliminar já foi debatido na quinta-feira e os vários ministros vão acrescentar propostas setoriais. A redação final será apresentada no final de julho e vai balizar o documento que António Costa irá entregar em outubro em Bruxelas. Encerra-se assim o primeiro ciclo de ideias de Costa a Costa.

A análise ao draft de Costa Silva é de Nuno Botelho, presidente da ACP – Câmara de Comércio e Indústria do Porto , João Matos Loureiro, professor de economia na Universidade do Porto e Pedro Braz Teixeira, diretor do Forum para a Competitividade .

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.