Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

​Covid-19 na Grande Lisboa. Costa diz que “seria prematuro aligeirar” medidas restritivas

10 jul, 2020 - 15:27 • Redação com Lusa

Já em relação ao facto de Portugal figurar entre os destinos a vermelho na Europa, o primeiro-ministro considerou a situação “manifestamente injusta”.

A+ / A-

Veja também:


O primeiro-ministro António Costa afasta para já a hipótese de aliviar as medidas mais restritivas que vigoram para a Área Metropolitana de Lisboa e para 19 freguesias em particular.

Em declarações aos jornalistas após uma reunião com o autarca de Loures, Costa remete para a próxima segunda-feira uma “avaliação global”, mas antevê a manutenção do atual cenário.

“A situação hoje está sob controlo em todo o território nacional, contudo não podemos desvalorizar o facto de em alguns locais muito precisos haver uma taxa de incidência que é muito elevada”, disse Costa.

O primeiro-ministro mostrou-se satisfeito com a nova metodologia que conseguiu estabilizar o aparecimento de novos casos, mas considera que “seria prematuro neste momento estar a aligeirar as medidas nestes territórios”.

Já em relação ao facto de Portugal figurar entre os destinos a vermelho na Europa, o primeiro-ministro considerou a situação “manifestamente injusta”.

“Não quero viver de teorias conspirativas. Acho que nem todos os países têm a mesma política de testagem e de transparência relativamente aos dados”, acrescentou.

Depois de ter insistido na tese relativa às diferenças ao nível da testagem praticada em vários países, o primeiro-ministro deixou críticas à forma como a União Europeia tem atuado ao nível da gestão das suas fronteiras internas.

"Há uma área em que a União Europeia tem falhado por não haver um critério uniforme relativamente às fronteiras internas, o que depois gera discrepâncias extraordinárias e até casos de pura retaliação. Há países que foram colocados recentemente em listas vermelhas, não porque tenham uma grande incidência da covid-19, mas porque tinham colocado outros em listas vermelhas", disse.

Em seguida, António Costa deixou um aviso às autoridades europeias: "Se começarmos todos a retaliar uns aos outros, vamos todos estar rapidamente em listas vermelhas".

"É preciso muito bom senso e haver aqui um diálogo sério das instituições europeias. A reação da União Europeia tem corrido melhor na capacidade de resposta à crise económica e social do que na gestão interna das suas fronteiras. Espero que isto seja rapidamente ultrapassado", completou o primeiro-ministro.

Neste contexto, António Costa classificou como "positivo" que a Bélgica "tenha compreendido a diferença existente entre situação no conjunto de Portugal e a situação de algumas localidades".

"É verdade que em Portugal conhecemos mais casos, mas temos mais razões para estar seguros. Perigoso são os países que não testam, porque conhecem menos a realidade", sustentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.