Tempo
|
A+ / A-

Benfica condenado a pagar 1,55 milhões de euros a Bilal Ould-Chick

10 jul, 2020 - 12:38 • Lusa com Redação

FIFA tinha condenado o Benfica a pagar 3,1 milhões ao jogador alemão, com que rescindiu em 2017 alegando justa causa. TAS reduz valor da indemnização após recurso dos encarnados.

A+ / A-

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) obrigou o Benfica a pagar 1,55 milhões de euros ao avançado holandês Bilal Ould-Chick, com quem o clube da Luz rescindiu unilateralmente, em 2017, alegando justa causa.

Gonçalo Almeida, ex-advogado FIFA e representante jurídico do jogador neste processo, confirmou, esta sexta-feira, à Lusa a decisão desta instância de recurso, com sede na Suíça. A condenação surge após a contestação do Benfica à condenação da FIFA em pagar 3,1 milhões de euros a Bilal, em setembro de 2018.

O atual avançado dos holandeses do Den Haag chegou ao Benfica em 2015/16, proveniente do Twente. No início de março de 2017, o clube português alegou justa causa para a rescisão do contrato.

“A SL Benfica – Futebol, SAD mantém a convicção de que o despedimento do referido atleta se justificou face ao comportamento desportivo e social deveras censurável e, como tal, é legalmente sustentável, não deixando, por isso, de reclamar a devida indemnização junto do TAS”, justificou o Benfica, quando anunciou o recurso.

O futebolista holandês, de origem marroquina, chegou a Portugal na época 2015/16, para integrar a equipa B do Benfica, que representou em 12 jogos.

Após a rescisão com o Benfica, o internacional dos escalões jovens das seleções dos Países Baixos rumou ao Utrecht, tendo ainda passado pelos turcos do Denizlispor antes de alinhar com o Den Haag.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+