|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

José Miguel Sardica
Opinião de José Miguel Sardica
A+ / A-

Contra os bretões, marchar, marchar?

08 jul, 2020 • Opinião de José Miguel Sardica


Não adiante pedirmos simpatias aos ingleses em nome da história. Como o famoso Lorde Palmerston definiu no século XIX, em diplomacia, “a Grã-Bretanha não tem amigos, mas interesses”.

Segundo Augusto Santos Silva, a Inglaterra, nossa secular aliada, acaba de cometer mais uma perfídia, a saber, excluir-nos da lista de países para onde os súbditos de Sua Majestade podem viajar sem terem de cumprir quarentena no regresso a casa. O ministro acha a decisão “injusta”, “errada” e “até absurda”, um “episódio triste” numa relação bilateral que “teria merecido um outro comportamento por parte das autoridades britânicas”. Talvez à sua batuta todos os portugueses assim ofendidos no seu brio devessem ter um sobressalto patriótico de anti britanismo, como em 1890, contra o humilhante ultimato telegrafado pelo governo de Lorde Salisbury para Lisboa, que obrigou Portugal a renunciar ao sonho do mapa cor-de-rosa de unir Angola a Moçambique. Na contabilidade de casos de Covid por milhão de habitantes, o Reino Unido acumulou, desde março, 4.195 infetados e Portugal 4271. Por aqui, Santos Silva tem razão. Como tem razão em lembrar que há países com rácios piores incluídos na lista inglesa, e que, imprudência por imprudência, as cenas de praias apinhadas ou de pubs desconfinados em ruas cheias de gente embriagada acontecem no Reino Unido e não cá. O problema é que nesta última quinzena os números ingleses cifraram-se em 12,8 casos por milhão de habitantes e os números portugueses em 38,3 casos (mais do triplo). Na apreciação, mesmo que muito empírica, de tendências Portugal está a portar-se mal…enquanto o Reino Unido sabe de si.

O impacto desta exclusão é óbvio no turismo português. Em 2019, quase 20% das dormidas estrangeiras em Portugal foram de “bretões”, subindo aquela percentagem para 63,4% no mercado algarvio. Albufeira, Quarteira, Vilamoura e etc. estão vazias, quando deveriam estar “invadidas” por multidões de ingleses. É mau para a economia, mas deveria talvez servir de acicate aos promotores turísticos do Algarve, e não só, para procurarem estratégias de captação de portugueses ou de nacionais de outros países “clean & safe”. Santos Silva bem pode “marchar” (verbalmente) contra os “bretões” (na verdade, a versão primitiva d’A Portuguesa nunca incluiu essa referência, tornada lendária…); mas melhor fora que o país não dependesse tanto da “monocultura” de turistas britânicos e que, ainda mais importante, tratasse de fazer melhor no combate ao planalto elevatório em que parece estar a Covid por cá.
Não adiante pedirmos simpatias aos ingleses em nome da história. Como o famoso Lorde Palmerston definiu no século XIX, em diplomacia, “a Grã-Bretanha não tem amigos, mas interesses”. É do interesse inglês que os seus cidadãos não regressem de Portugal com Covid; como também será do interesse português que os ingleses cá não entrem com Covid. No ambiente pandémico atual, suceder-se-ão estes episódios nacionalistas em que cada um cuida de si, sem bondades ou favores diplomáticos.
Em 1890, por causa do ultimato e da “pérfida Albion”, o patriotismo dramatizado do protesto antibritânico levou a que nas lojas de Lisboa não se vendesse a ingleses, que nas docas não se descarregassem barcos ingleses, que nos hotéis não existissem quartos para ingleses, que a alta sociedade devolvesse as condecorações inglesas ou que na Universidade e nos Liceus os estudantes fossem dispensados dos exames de língua inglesa. Hoje não vale a pena fazer isso. Mas vale a pena lembrar o que sobre a comoção do ultimato de 1890 escreveu Antero de Quental: “o nosso maior inimigo não é o inglês, somos nós próprios (…) declamar contra a Inglaterra é fácil, emendarmos os defeitos da nossa vida nacional será mais difícil; mas só essa desforra será honrosa, só ela será salvadora”. O respeito alheio não se reclama; conquista-se.

Artigos AnterioresJosé Miguel Sardica

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    08 jul, 2020 Lisboa 09:28
    Até acabo de ter um ideia estapafúrdia: que tal em vez de dependermos tanto do Turismo, e andarmos para aí a desesperar pela situação turística pré-covid, que tal desenvolvermos alternativas para a Economia? Qualquer coisa como a reindustrialização do País - produzir por cá, aquilo que agora tivemos de comprar por bom preço e que ou era desviado ou chegava tarde e a más horas e cheio de defeitos - ou a tal Economia Circular que se fala, a Economia Verde, o 5 G, etc, etc. Que tal reativar e desenvolver o tecido produtivo, em vez de fazer do País o paraíso da velharia chata mas endinheirada da Europa, ou o alvo de invasão de hordas de adolescentes à procura de copos, festarolas selvagens, briga, esfreganços e tudo o mais que não lhes é permitido nos países deles? É isso que queremos para o nosso futuro? A toalhinha no braço e a espinha derreada a limpar a m**da dos outros?