|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Um reformista frustrado mas persistente

08 jul, 2020 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Macron quer modernizar a França, com reformas que não são populares. Em governos e presidências anteriores houve tentativas reformistas – que foram derrotadas por manifestações de rua. A diferença de Macron em relação aos seus antecessores é que ele não desiste.

Macron, presidente da França, tem um novo governo. Num regime presidencialista, como é o francês, o chefe de Estado preside ao conselho de ministros. O primeiro-ministro é uma espécie de vice-presidente. Ora a principal novidade desta remodelação é que Édouard Philippe, primeiro-ministro de Macron desde o início do mandato deste como presidente, foi substituído por Jean Castex.

Castex é pouco conhecido em França. Trata-se de um alto funcionário, ao que parece muito eficaz, que orientou o desconfinamento em França; Castex é presidente da câmara da aldeia de Prades, nos Pirinéus – na “França profunda”.

E. Philippe ganhou as eleições autárquicas na sua circunscrição, tornando-se presidente da câmara do Havre com 59% dos votos. Surge nas sondagens acima de Macron, pelo que pode vir a candidatar-se nas próximas eleições presidenciais francesas.

As recentes eleições autárquicas correram mal ao partido que Macron fundou; nenhuma cidade francesa importante foi ganha por esse partido. Em maio, o partido de Macron tinha perdido a maioria – que inicialmente era enorme – na Assembleia Nacional francesa.

Aliás, estas eleições autárquicas foram mais um revés para Macron, que tem vindo a perder apoiantes. Ele é, em parte, responsável pela perda da sua popularidade porque, sobretudo nos primeiros tempos da sua presidência, assumiu frequentemente um tom altivo e arrogante, que desagradou aos franceses.

Mas o essencial é que Macron quer modernizar a França e, para isso, fazer reformas que não são populares. Em governos e presidências anteriores houve tentativas reformistas – que foram sistematicamente derrotadas por manifestações de rua. A diferença de Macron em relação aos seus antecessores é que ele não desiste.

Até conseguiu algumas mudanças no mercado de trabalho. Mas a inorgânica e longa revolta dos “camisas amarelas”, que a partir de 2018 regularmente, aos sábados, punha Paris e outras cidades em pé de guerra (em parte por causa de infiltrados extremistas), não levou Macron a demitir-se nem a recuar significativamente nas reformas que pretende concretizar. Eis o que é uma novidade em França.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.