|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Marcelo reúne-se com várias organizações médicas por videoconferência

06 jul, 2020 - 09:20

Audiência visa discutir prioridades ao nível da saúde pública, mas também deve analisar a situação da pandemia em Portugal, em especial na Grande Lisboa.

A+ / A-

O Presidente da República reúne-se, esta segunda-feira, por videoconferência com várias organizações médicas. Trata-se de uma audiência para discutir prioridades ao nível da saúde pública, mas onde deverá ser também analisada a situação da pandemia em Portugal, em especial na Grande Lisboa.

O encontro foi pedido pela Ordem dos Médicos e vai incluir para além do bastonário, os presidentes dos sindicatos médicos, da FNAM e do SIM e ainda o presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública.

Sobre os riscos de contágios na Grande Lisboa, a Renascença ouviu Guilherme Duarte, médico de saúde pública na Amadora, um dos concelhos que está a gerar preocupação. O também membro da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública garante que “dizer que não há infeções em transportes é uma afirmação política que pode ser danosa” e acredita que a média de 50% de ocupação nos transportes públicos de nada vale.

Guilherme Duarte alerta ainda que há uma falsa perceção de que um teste negativo num caso suspeito é suficiente para que a pessoa retorne à comunidade e ao trabalho.

Em Portugal, morreram 1.614 pessoas das 43.897 confirmadas como infetadas, de acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 530 mil mortos e infetou mais de 11,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.