|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Jovem que matou colega de faculdade encontrado morto na prisão

06 jul, 2020 - 07:27 • Redação

Ruben Couto, homicida confesso de Beatriz Lebre, aguardava julgamento.

A+ / A-

O jovem que confessou ter assassinado a colega de faculdade Beatriz Lebre foi encontrado morto, na noite de domingo, no Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL).

De acordo com o “Correio da Manhã”, Ruben Couto, que aguardava julgamento, foi encontrado morto por volta das 23h00. Desconhecem-se ainda as causas da morte.

Numa resposta enviada à Lusa, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) diz que o recluso foi encontrado pelos guardas prisionais cerca das 23h00 de domingo, na cela individual, e que foram imediatamente chamados os serviços clínicos do EPL e ativado o INEM, que confirmou o óbito.

"Como decorre do legalmente previsto, foi chamado ao estabelecimento prisional órgão de polícia criminal e feitas as comunicações às autoridades judiciais competentes, tendo o corpo sido encaminhado para Instituto Nacional de Medicina Legal para autópsia", acrescenta.

A DGRSP diz ainda que, "em conformidade com o regulamentarmente previsto, decorre processo de inquérito interno".

O jovem, de 25 anos, foi detido pela Polícia Judiciária no final de maio e confessou ter assassinado a colega de faculdade, de 23 anos e natural de Elvas, por quem teria uma obsessão. Os dois estudavam no Instituto Universitário de Lisboa - ISCTE.

Após cometer o crime, no apartamento onde a vítima residia, em Lisboa, e tendo usado como arma um bastão, atirou o corpo de Beatriz ao Tejo, tendo sido encontrado a 29 de maio.

O jovem estava a terminar o mestrado em Psicologia e tinha já realizado vários trabalhos de voluntariado.


[notícia atualizada às 9h00]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.