|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

China

Facebook deixa de colaborar com autoridades de Hong Kong

06 jul, 2020 - 16:27 • Lusa

A decisão da empresa que gere o Facebook e o WhatsApp surge depois de Pequim ter aprovado uma nova lei para regular a segurança na antiga colónia britânica.

A+ / A-

A empresa que gere a rede social Facebook e a sua aplicação de mensagens WhatsApp anunciou esta segunda-feira que deixará de fornecer informações sobre os seus utilizadores pedidos pelas autoridades de Hong Kong.

O regime comunista em Pequim impôs uma lei de segurança nacional a Hong Kong para suprimir a subversão, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras, em resposta ao movimento pró-democracia, lançado no ano passado contra o poder central, na antiga colónia britânica.

A decisão da empresa tecnológica que gere o Facebook e o WhatsApp será aplicada “até nova avaliação” desta lei, depois de “consultas com especialistas em Direitos Humanos” sobre as consequências da nova legislação.

“Vamos suspender as respostas aos pedidos governamentais de dados de utilizadores de Hong Kong, enquanto aguardamos uma avaliação mais profunda da lei de segurança nacional”, disse esta segunda-feira um porta-voz da empresa tecnológica.

“Acreditamos que a liberdade de expressão é um direito humano fundamental e apoiamos o direito das pessoas a expressarem sem medo pela sua segurança e sem medo de outras represálias”, acrescentou a mesma fonte.

A rede social explica que possui um procedimento global para responder a solicitações de governos, em que cada solicitação leva em conta a política interna do Facebook, as leis locais e os padrões internacionais de direitos humanos.

As preocupações da empresa tecnológica surgem no momento em que a comunidade internacional condena esta nova lei de segurança nacional, acusada de violar o princípio “um país, dois sistemas” que deveria garantir as antigas liberdades da colónia britânica que não se aplicam em outras regiões da China.

Para justificar a aplicação desta medida no WhatsApp, a empresa alega que “as pessoas têm o direito de ter uma conversa privada online” e recorda que a sua criptografia protege as mensagens de dois mil milhões de utilizadores.

“A confidencialidade nunca foi tão importante como é agora e continuamos comprometidos em fornecer serviços de mensagens privados e seguros para os nossos utilizadores em Hong Kong”, acrescentou o porta-voz da empresa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.