Tempo
|
A+ / A-

Hong Kong. Livros de ativistas pró-democracia passam a estar indisponíveis

05 jul, 2020 - 09:17 • Reuters

Esta é uma das primeiras consequências da Lei de Segurança Nacional imposto pela China para terminar con os protestos na cidade.

A+ / A-

Os livros de figuras proeminentes da democracia em Hong Kong estão indisponíveis para consulta nas bibliotecas públicas da cidade, dias depois que Pequim introduzir uma legislação abrangente sobre segurança nacional. Estas informações têm como fonte registros on-line e um ativista.

A lei, que entrou em vigor na noite de terça-feira ao mesmo tempo que o seu conteúdo foi publicado, pune crimes relacionados com a secessão, a subversão, o terrorismo e o conluio com forças estrangeiras, com punições até prisão perpétua.

Numa busca por livros do jovem ativista Joshua Wong ou da política pró-democracia Tanya Chan no site das bibliotecas públicas percebe-se que os livros, incluindo "Discurso sem liberdade", de co-autoria de Wong, estão indisponíveis ou em revisão.

"A lei de segurança nacional (...) impõe um regime de censura da China Continental a esta cidade financeira internacional", twittou Wong no sábado, acrescentando que seus livros "são agora propensos à censurar ".

A legislação de segurança nacional foi criticada por ativistas pró-democracia, advogados e governos estrangeiros, que temem que seja usada para reprimir a dissidência e minar as liberdades que a ex-colónia britânica dispunha desde 1997, quando se deu a passagem de soberania.

No dia seguinte à entrada em vigor da lei, um homem foi preso por carregar uma bandeira da independência de Hong Kong.

Na sexta-feira, o governo local declarou ilegal o slogan "Libertem Hong Kong, revolução dos nossos tempos". Um homem que conduziu uma motocicleta contra policiais durante um protesto e carregava uma bandeira com essa mensagem foi acusado de terrorismo e de incitar o secessionismo.

O Departamento de Serviços Culturais e de Lazer da cidade, que administra bibliotecas, foi citado por meios de comunicação social afirma que os livros foram removidos enquanto se determina se eles violavam a lei.

As autoridades locais e as de Pequim disseram repetidamente que a legislação não restringiria a liberdade de expressão ou dos meios de comunicação, nem quaisquer outros direitos na cidade. A nova lei, referiram, visa apenas alguns "criadores de problemas".

Não está claro quantos livros estão em revisão. Dois títulos do dissidente político chinês Liu Xiaobo, vencedor do Prêmio Nobel da Paz, ainda estavam disponíveis, segundo a pesquisa on-line.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.