|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Estarreja fica sem fábrica do ramo automóvel. Investimento era de 300 milhões de euros

04 jul, 2020 - 18:00 • Lusa

INEOS Automotive recua devido à quebra de receitas provocada pela pandemia.

A+ / A-

Veja também:


A INEOS Automotive, empresa do ramo automóvel, transmitiu à Câmara de Estarreja que vai suspender o investimento de 300 milhões de euros numa fábrica no concelho, revelou este sábado fonte municipal.

“A empresa transmitiu à Câmara Municipal de Estarreja a difícil decisão de suspender o investimento”, informa a autarquia, na sua página na Internet.

De acordo com o que foi transmitido pelo grupo britânico, a suspensão deve-se a uma reavaliação das opções, face à crise provocada pela pandemia da Covid-19”.

De acordo com a comunicação à Câmara, a decisão “nada teve a ver com uma mudança da visão de Estarreja como local de produção”, sendo a principal razão a perspetiva de redução de vendas no setor automóvel.

A INEOS aponta que foi forçada a rever o investimento previsto, face “à mudança de paradigma, devido à diminuição da produção regular dos fabricantes de automóveis na Europa”.

O fabricante salienta que a previsão para o setor automóvel é de vir a registar “uma quebra de vendas na ordem dos 20% a 30%, para os próximos anos”.

O CEO da Ineos Automotive, Dirk Heilmann, justificou que “o novo cenário permitirá à INEOS produzir o Grenadier numa unidade industrial já em funcionamento”.

Irá assim “usufruir da força de trabalho com histórico de construção na área automóvel e da capacidade técnica instalada, que possibilita a fabricação de outro produto”.

O recurso a uma das fábricas do grupo já existentes, na ótica do administrador, “anula os riscos inerentes à construção e arranque de uma nova unidade fabril”.

O grupo inglês INEOS Automotive anunciou em janeiro que iria fabricar um novo veículo 4x4, o “Grenadier”, cujo chassi e carroçaria seriam produzidos em Estarreja, num investimento de 300 milhões de euros.

Para o presidente da Câmara de Estarreja, Diamantino Sabina, a decisão “constitui um duro golpe para o Município” e “um revés naquilo que poderia ser um salto qualitativo em termos económicos e sociais”.

“A Covid-19, neste caso, foi-nos fatal, neste caso, mas não podemos esmorecer”, disse, referindo que o Eco Parque Empresarial de Estarreja “continua a registar uma procura considerável”.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 526 mil mortos e infetou mais de 11 milhões de pessoas, em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.598 pessoas das 43.156 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde, divulgado este sábado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.