|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Próximo ano letivo terá férias da Páscoa mais curtas e 3.º período mais longo

03 jul, 2020 - 16:18 • Cristina Nascimento

Ministro da Educação apresentou as principais medidas para o próximo ano letivo. Conheça o calendário escolar para 2020/2021.

A+ / A-

O próximo ano letivo terá mais dias de aulas, por via de encurtamento das férias da Páscoa e um terceiro período mais longo, em particular para o ensino pré-escolar, primeiro e segundo ciclo. A medida foi anunciada pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Em conferência de imprensa, o governante garantiu que o Ministério preparou três cenários distintos para o ano de 2020/2021 - regime presencial, misto e não presencial - ressalvando que o regime presencial deve ser a regra.

Tiago Brandão Rodrigues ressalvou ainda que, dentro do regime presencial, as escolas terão uma capacidade de "gestão mais flexível dos horários, dos espaços escolares e dos créditos horários".

O governante repetiu que o modelo escolar do próximo ano que virá a ser adotado está dependente da evolução da pandemia, mas que os alunos do pré-escolar, do 1º e do 2º ciclo serão privilegiados no ensino presencial, assim como alunos com apoio social escolar e com necessidades especiais. "Se tivermos que tomar opções, estes serão os que preferencialmente terão aulas nas escolas", garantiu Brandão Rodrigues.

O ministro comentou ainda a decisão tomada no âmbito da aprovação do Orçamento Suplementar e que suspendeu a obrigatoriedade de entrega dos manuais escolares. Tiago Brandão Rodrigues considera que esta suspensão "é um revés" no programa de reutilização dos manuais, mas que serão cumpridas as indicações emanadas pela Assembleia da República.

Nesta conferência de imprensa, o ministro referiu ainda que o uso da máscara continuará a ser obrigatório nos recintos escolares.

Tiago Brandão Rodrigues garantiu ainda que as escolas portuguesas vão ter um reforço de 600 assistentes operacionais.

Calendário do próximo ano letivo

De acordo com as informações divulgadas pelo Ministério da Educação, o primeiro período arranca, para todos os níveis de ensino, entre 14 e 17 de setembro e prolonga-se até 18 de dezembro. O segundo período começa a de 4 de janeiro de 2021 e prolonga-se até 24 de março. O terceiro período começa a 6 de abril, depois de umas férias da Páscoa mais curtas (Domingo de Páscoa é a 4 de abril).

Como habitualmente, o fim das aulas vai variar de acordo com os graus de ensino. No caso dos anos em que existem provas nacionais – 9.º, 11.º e 12.º anos – as aulas terminam a 9 de junho. Já para os alunos do 7º, 8º e 10º terminam a 15 de junho. Quanto aos alunos do pré-escolar, 1º e 2º ciclo o ano letivo vai terminar a 30 de junho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joao Figueiredo
    04 jul, 2020 14:56
    O que me parece (na realidade não parece, é mesmo) é que, à falta de mais e melhores diretivas, o governo está a colocar um ónus muito pesado nas escolas, cujos resultados dependerão mais dos recursos humanos e materiais de cada uma, e que poderão ser muito díspares para situações semelhantes. Isto tudo sem os milhões da TAP e Novo Banco...
  • Professor Ludibriado
    04 jul, 2020 5 de out 14:19
    Não esqueçam algumas coisas: durante o confinamento Uns puseram de pé um esquema alternativo de ensino e outros tentaram acompanhar. Nem professores nem alunos estiveram de "férias". E o Corpo Docente português é dos mais velhos da Europa. Não comecem a exigir o Céu e a Lua, ou arriscam uma avalanche de atestados médicos.
  • Filipe
    04 jul, 2020 évora 14:03
    Mais um criminoso entre muitos que propagam doença contagiosa , e a jovens menores indefesos , para alimentar os tubarões da economia , filhos e netos dos retornados de África que mataram "pretos" nos anos 60 , assim deram origem à guerra de África que por sua vez mataram jovens inocenteos a combater . Prisão para esta gente .
  • bahpcarvalho c
    03 jul, 2020 16:54
    Não entendo porque teimam em ter 3 períodos... 2 períodos chegam. Menos 1/3 de avaliações e burocracias relacionadas com a avaliação. Não é preciso acabar com as férias. E as férias do Carnaval servem para separar os dois períodos, com atribuição das notas intercalares. Não digam que são precisos 3 períodos para desempatar, porque no limite os professores dão as notas que quiserem... Basta dizer que, em caso de necessidade, desempata o segundo período...