Tempo
|
A+ / A-

Manuais escolares? Este ano ninguém tem de devolver

03 jul, 2020 - 16:58 • Lusa

Proposta do CDS só recebeu os votos contra do PS. Medida pretende garantir "as condições para a recuperação das aprendizagens dos alunos",

A+ / A-

O plenário da Assembleia da República validou esta sexta-feira a votação da Comissão de Orçamento e Finanças (COF), no âmbito da especialidade do Orçamento Suplementar, que aprovava a proposta do CDS para o fim da devolução dos manuais escolares.

A proposta do CDS foi aprovada com os votos contra do PS e favorável das restantes bancadas, e tinha sido avocada para o plenário de hoje a pedido do PS, o que significou que teve de ser votada pelo conjunto dos deputados, e não apenas pelos parlamentares da COF.

Na terça-feira, na votação na especialidade na comissão, tinha sido aprovada a proposta do CDS-PP que suspende a devolução dos manuais escolares entregues aos alunos para o ano letivo de 2019-2020, numa votação que apenas teve os votos contra do PS.

“Fica suspensa a obrigatoriedade de devolução dos manuais escolares gratuitos entregues no ano letivo de 2019-2020, a fim de serem garantidas as condições para a recuperação das aprendizagens dos alunos, a ter lugar no início do ano letivo de 2020-2021”, refere a proposta.

Esta sexta-feira, durante o debate - anterior e posterior - sobre as avocações, a deputada centrista Cecília Meireles defendeu que "nada garante a igualdade de oportunidades e 'elevador' social como a escola, e a pandemia pôs isso em causa".

Por outro lado, Porfírio Silva, do PS, disse que "os bancos de manuais das bibliotecas escolares e a continuação das licenças digitais permitem manter o acesso", e que "todos os anos há recuperação de aprendizagens, e nunca dependeram dos manuais", acrescentando que "há outros recursos didáticos".

"O próximo ano terá de passar por aprender a gerir emoções, a lidar com a incerteza e com o risco, entender o que está a acontecer no mundo, consolidar as novas experiências, e isso não está nos manuais", defendeu o parlamentar socialista.

Em resposta, Cecília Meireles disse que, "quando em muitos casos parte da matéria não foi dada, não há outra forma dos alunos estudarem, trabalharem e compensarem essa matéria que não foi dada do que ficarem com os manuais".

"E se acha que o importante é aprender a gerir as emoções, eu sugeria que o PS aprendesse a gerir as suas emoções e deixasse os manuais escolares com os alunos", ripostou ainda a deputada do CDS-PP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joao Figueiredo
    08 jul, 2020 11:12
    É verdade que a autora a iniciativa de não devolução dos manuais escolares foi diretora do site IOL.pt, detido pela Media Capital (2000-2008) e da Leya Educação (2010-2015)? Não há aqui um conflito de interesses?