Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de ​Covid-19

"Incidência relativamente elevada de casos". Embaixada britânica justifica exclusão de Portugal de corredor aéreo

03 jul, 2020 - 18:10

Portugal foi excluído da lista de 59 países e territórios de destinos turísticos que o Reino Unido vai abrir para permitir aos britânicos passarem férias sem cumprir quarentena no regresso.

A+ / A-

Veja também:


A embaixada britânica em Lisboa disse esta sexta-feira que o seu Governo “analisou com muito cuidado” a situação, antes de tomar a decisão de excluir Portugal dos “corredores de viagem internacional” que vai abrir para 59 países.

“O Governo britânico compreende que essas decisões são importantes para Portugal, para o setor das viagens e do turismo em Portugal”, disse hoje a embaixada britânica em Londres, num comunicado em que procura explicar a decisão de exclusão de Portugal da lista de 59 países e territórios de destinos turísticos que o Reino Unido vai abrir para permitir aos britânicos passarem férias sem cumprir quarentena no regresso, devido à pandemia de covid-19.

“Devido à incidência relativamente elevada de casos de covid-19, principalmente na região da grande Lisboa, o governo britânico decidiu continuar a desaconselhar todas as viagens que não sejam essenciais para Portugal continental”, justificou a embaixada.

Contudo, “em reconhecimento das taxas de infeção muito mais baixas nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, bem como o facto dessas ilhas serem acessíveis através de voos diretos do Reino Unido e terem controlos efetivos de entrada relacionados com a covid-19”, o Governo britânico deixou de desaconselhar viagens para estas regiões, já a partir de sábado, explica a embaixada.

Ainda assim, a representação do Reino Unido em Lisboa lembra ainda que “no que diz respeito à quarentena obrigatória de catorze dias para as pessoas que chegam ao Reino Unido, essa medida permanecerá por enquanto em vigor para todas as pessoas que chegarem ao Reino Unido vindas de Portugal (no seu todo)”.

O sistema vai entrar em vigor na próxima sexta-feira 10 de julho e permite evitar que quem chegue destes países tenha de ficar 14 dias em isolamento, como acontece atualmente com todas as pessoas que chegam a Inglaterra do estrangeiro, ou arriscam uma multa de mil libras (1.100 euros).

A embaixada britânica conclui o comunicado dizendo que espera que a taxa de infeção em Portugal “diminua rapidamente”, para que seja possível levantar as restrições de viagens ainda existentes.

O anúncio sobre os “corredores de viagem internacional” feito hoje em Londres aplica-se apenas a Inglaterra porque a Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte têm autonomia sobre matéria de saúde e cabe aos respetivos governos determinar as medidas que pretendem introduzir.

A diplomacia portuguesa já reagiu, considerando a decisão do Reino Unido de excluir Portugal dos “corredores de viagem internacionais” como um “absurdo”, “errada” e que causa “muito desapontamento”, trazendo ainda graves consequências económicas e de confiança recíproca.

O Reino Unido é o principal mercado emissor de turistas para Portugal, tendo representado 19,2% das dormidas de estrangeiros em 2019 e vindo a registar sucessivos crescimentos desde 2013, apenas interrompidos em 2018, de acordo com dados do INE.

Os destinos preferenciais dos hóspedes britânicos foram o Algarve (63,4% das dormidas do mercado), a Madeira (18,5%) e a Área Metropolitana de Lisboa (10,8%).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 521 mil mortos e infetou mais de 10,88 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Laura
    05 jul, 2020 Al 17:12
    Para Portugal sim mas só apos garantias de que não estarao contaminados! Uk é uma região de ALTO RISCO e não podemos correr o risco de recebermos infectados no nosso território. Por favor, parem de solicitar um corredor aéreo sem garantias sanitárias!
  • Bruno
    05 jul, 2020 Lx 17:07
    Como é possível quererem forçar a vinda de ingleses para Portugal sem que antes tenham de ser controlados na fronteira! Têm incidência de caso maiores que nós, mais mortos e reabrirarm recentemente bares e restaurantes! Aquilo vai se descontrolar e ainda querem que essa gente venha para ca!! está tudo louco a troco de migalhas.. porquê 6semanas de confinamente para agora andarem de braço estendido a mendigar??
  • Desabafo Assim
    03 jul, 2020 23:01
    O nosso grande MNE só tem este defeito, mas não deixa de ser o Homem certo para o lugar certo.
  • Cidadao
    03 jul, 2020 Lisboa 21:57
    Já disse e repito: quando tiverem de fazer negociações complicadas com Bruxelas por causa do Brexit e precisarem de "amigos", não venham ter connosco ...