|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Honras de Estado na reabertura das fronteiras entre Portugal e Espanha

01 jul, 2020 - 07:40 • Rosário Silva

Marcelo, Felipe VI, Costa e Sánchez assinalam juntos a reabertura da fronteira. Com a presença dos chefes de Estado e de Governo, os dois países ibéricos levantam as barreiras à circulação de pessoas, num convite ao regresso do turismo, setor fundamental para a economia de ambos.

A+ / A-

Primeiro em Badajoz e depois em Elvas, Portugal e Espanha assinalam, esta quarta-feira, a reabertura das fronteiras, reunindo as mais altas figuras dos respetivos países.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa e o primeiro-ministro, António Costa, juntam-se ao rei de Espanha, Felipe VI, e ao chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, para, lado a lado, participarem nas duas cerimónias previstas: a primeira, no Museu Arqueológico de la Alcazaba de Badajoz e, a segunda, no castelo de Elvas. Em ambas vão ser executados os hinos dos dois países e haverá uma fotografia de família.

São atos oficiais que valem, sobretudo, pelo simbolismo político, já que os dois países ibéricos também estiveram unidos na decisão de fechar as suas fronteiras, há cerca de três meses e meio, devido à pandemia de Covid-19, permitindo a passagem exclusivamente ao transporte de mercadorias e a trabalhadores transfronteiriços.

As restrições fronteiriças entre Portugal e Espanha, terminaram à meia-noite de dia 1 de julho, precisamente o dia em que Portugal avança para o estado de alerta, com a região de Lisboa e Vale do Tejo a passar para uma situação de contingência (nível intermédio) e 19 freguesias desta área metropolitana (todas as freguesias de Amadora e Odivelas, seis freguesias de Sintra, duas freguesias de Loures e a freguesia de Santa Clara em Lisboa), a manterem o estado de calamidade.

Grande parte dos países do mundo fechou fronteiras em março, para evitar a propagação da pandemia. Espanha foi um dos países mais atingidos, registando nas últimas semanas uma diminuição do número de casos, enquanto Portugal foi inicialmente enaltecido no plano externo e regista, atualmente, o aparecimento de novos infetados, sobretudo, na Área Metropolitana de Lisboa.

Com a presença dos chefes de Estado e de Governo, os dois países ibéricos levantam agora as barreiras à circulação de pessoas, num convite ao regresso do turismo, setor fundamental para a economia de ambos os países.

A ministra espanhola da Indústria, Comércio e Turismo, Reyes Maroto, começou por anunciar uma reabertura da fronteira com Portugal para o dia 22 de junho, anúncio a que o Governo português reagiu com surpresa, tendo sido depois acertado o dia 1 de julho.

No domingo passado, em entrevista ao jornal catalão La Vanguardia, o primeiro-ministro português afirmou, referindo-se às cerimónias de hoje: "Vamos celebrar com toda a dignidade a abertura da nossa fronteira, a mais antiga da Europa, que com muita tristeza vimos fechada durante estes meses".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Dias
    01 jul, 2020 Moita 09:00
    Ver se os Amigos de Olivença também lá aparecem, porque aquela questão está para nós, tal como a de Gibraltar está para os espanhóis…