|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Fogo em Idanha-a-Nova que passou para Espanha já está dominado

01 jul, 2020 - 01:24 • Lusa

A informação foi atualizada pelo comandante do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco.

A+ / A-

O incêndio rural que deflagrou na terça-feira à tarde no concelho de Idanha-a-Nova, que obrigou ao corte da Estada Nacional (EN) 240 e passou para Espanha já está dominado, adiantou à Lusa fonte da Proteção Civil.

“O fogo ficou dominado às 23h40 [de terça-feira] após ter sido controlada a frente que estava ativa”, explicou o comandante do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco, Francisco Peraboa.

A cabeça do fogo que estava ativa já se encontrava em Espanha e foi combatida em cooperação entre as forças portuguesas e espanholas, acrescentou.

O combate foi coordenado entre o CDOS de Castelo Branco e a região da Extremadura espanhola.

Francisco Peraboa apontou que as dificuldades nas acessibilidades e o vento forte dificultaram a tarefa no combate às chamas.

O comandante do CDOS de Castelo Branco sublinhou também que irão continuar as operações de rescaldo e consolidação do incêndio durante “toda a noite”.

Segundo a página da Proteção Civil, às 00:15 de hoje ainda se encontravam no teatro das operações 162 operacionais, apoiados por 53 viaturas.

O alerta para o incêndio, na localidade de Torre, no concelho de Idanha-a-Nova, foi dado às 17h33.

A EN 240, que liga Termas de Monfortinho a Escalos de Baixo, próximo de Castelo Branco, tinha sido cortada para facilitar as operações, mas foi depois reaberta.

O fogo chegou a ser combatido com o apoio de seis meios aéreos que desmobilizaram ao final da tarde de terça-feira à medida que a sua autonomia obrigou e devido à aproximação da noite.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.