|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Duarte Cordeiro responde a Medina: “Não há balas de prata” para resolver a pandemia

01 jul, 2020 - 08:55 • Marta Grosso com redação

O coordenador da região de Lisboa e Vale do Tejo para a pandemia reage na Renascença às críticas do presidente da Câmara lisboeta. No programa As Três da Manhã, Duarte Cordeiro fala ainda sobre a reposição de transportes públicos.

A+ / A-

Fernando Medida tem toda a legitimidade para avaliar e criticar as medidas tomadas para tentar conter a pandemia na Grande Lisboa, afirma, nesta quarta-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Na Renascença, Duarte Cordeiro garante que as críticas do presidente da Área Metropolitana de Lisboa foram ouvidas e serão tidas em conta. Mas lembra também que as medidas precisam de tempo para produzirem resultados.

“As respostas que vão sendo encontradas têm de ter o seu tempo para poder apresentar os seus resultados. Não existem balas de prata para resolver um problema desta natureza”, sublinha o também coordenador da região de Lisboa e Vale do Tejo para o combate à pandemia de Covid-19.

“Nós estamos a procurar respostas”, garante, reforçando que as palavras de Fernando Medina foram ouvidas.

“Nós ouvimo-las, teremos obviamente em consideração e [o autarca] tem toda a legitimidade para fazer os seus comentários”, afirma.

Reposição de transportes mais difícil no privado

Em entrevista no programa As Três da Manhã, Duarte Cordeiro diz que a oferta de transportes públicos foi reposta com relativa rapidez, mas não no setor privado, onde há muitas empresas com trabalhadores em “lay-off”.

“Tivemos algumas empresas rodoviárias privadas que, durante a paragem, entraram em ‘lay-off’ e foi necessário encontrar soluções para repor a oferta”, refere. Foi “onde sentimos mais dificuldade em repor e não foi tão rápido como nas empresas de transporte público”, admite o secretário de Estado.

No setor público, e no que diz respeito à Área Metropolitana de Lisboa, o governante afirma que os transportes foram repostos “com alguma rapidez”, seja no Metro, na CP ou nos autocarros.

Duarte Cordeiro reconhece que foi colocado maior ênfase no transporte rodoviário.

“A Área Metropolitana de Lisboa sinalizou ao Governo a necessidade de haver um reforço orçamental no que diz respeito ao valor que é transferido, para poder compensar as empresas rodoviárias que tiveram paragens significativas neste período para repor essa oferta. É isso que está a ser feito e está no Orçamento Suplementar”, afirma.

A responsabilidade da reposição passa agora para a Área Metropolitana de Lisboa, dirigida por Fernando Medina.

“Esperamos que seja gerida de acordo com o que são as expectativas das pessoas”, acrescenta.

O secretário de Estado reconhece que tem havido “picos em algumas linhas”, mas garante que o Governo tem “procurado monitorizar a capacidade e tentar que as pessoas se distribuam e usem máscaras nos transportes públicos” para reduzir o contágio.

Nesta quarta-feira, dia 1 de julho, a oferta de transportes públicos na Área Metropolitana de Lisboa é reforçada com mais 700 autocarros em circulação.

De Cascais chegou, entretanto, o aviso: o presidente da Câmara, Carlos Carreiras, diz que, se os transportes públicos não forem totalmente repostos até segunda-feira, vai passar a exigir o transbordo dos passageiros à entrada no município.

A região de Lisboa e Vale do Tejo é a que mais preocupa neste momento no âmbito do combate à pandemia de Covid-19. No dia em que a maior parte do país passa a uma nova fase, a Grande Lisboa passa a situação de contingência e, nas 19 freguesias mais preocupantes, mantém-se o estado de calamidade, com recolhimento aconselhado.

No total, há cerca de nove mil pessoas infetadas e outras 15 mil em vigilância nos cinco concelhos de que fazem parte estas 19 freguesias.


Nos últimos dias, houve reforço de recursos, com mais médicos e mais equipas de saúde pública no terreno, mas as críticas continuam.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    01 jul, 2020 14:34
    A Medina ficava-lhe bem, para fugir às suas responsabilidades, abandonar a Câmara de Lisboa...