|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Bater no fundo

30 jun, 2020 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Tornou-se inevitável a saída de Bruno Lage do Benfica.

Não causou surpresa de maior aquilo que aconteceu ontem à noite no Funchal, após o jogo ali disputado entre o Marítimo e o Benfica.

Perdido o desafio, por força de mais uma má exibição da equipa comandada por Bruno Lage, tornou-se inevitável a saída do treinador.

Foi a segunda derrota consecutiva, a que se seguiu uma vitória do FC Porto em Paços de Ferreira, o que provocou um distanciamento ainda maior entre os dois ocupantes dos lugares da frente da classificação, e que deixou à mercê dos portistas a conquista do título de campeão nacional.

Seis pontos de diferença poderiam ser recuperáveis se, primeiro, os encarnados tivessem mostrado até aqui futebol de qualidade e, depois, se ainda estivéssemos longe do cumprimento total do calendário. Infelizmente para os encarnados, nem uma nem outra coisa acontecem, pelo que as coisas devem estar arrumadas por agora.

Em consequência de mais uma má noite das águias, o seu treinador atirou a toalha ao chão e despediu-se de um cargo onde obteve ainda recentemente retumbante sucesso.

A verdade é que a sua permanência na condução da equipa já vinha a ser posta em causa há algum tempo, tendo a derrota de ontem no Caldeirão precipitado os acontecimentos.

Lage colocou o seu lugar à disposição, Vieira aceitou, mas nada disso indica que o calvário do Benfica tenha chegado ao fim. Agora, e antes de tudo, terá de ser preenchida a vacatura, e depois procurar substituto a título definitivo. E essa não vai ser tarefa fácil.

Em paralelo, e no calor da noite, o presidente do Benfica colocou também a possibilidade de se juntar a Lage e abandonar o comando na nau encarnada, cada vez mais difícil de controlar.

A contestação sobe de tom a cada dia que passa, a nau bateu no fundo, e há que refletir sobre como vai ser possível recolocar o clube no lugar que tem ocupado nos últimos anos.

Convenhamos que se trata de tarefas hercúleas, ainda mais difíceis porque se aproximam eleições, e agitam a família benfiquista porque estão muitas coisas em jogo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    30 jun, 2020 Lisboa 14:28
    As Eleições são um momento crucial e acerca disso, é de perguntar porque decorrem já em plena nova época e não, por exemplo, em Julho, logo após o final da época - um novo presidente terá de começar uma época com o planeamento e a política do anterior, ou LFV está tão convencido de nova vitória, que nem se importa? Depois, porque é que tendo o Benfica um canal de Televisão, não há debates entre os candidatos, nem tão pouco acompanhamento das campanhas e possibilidade de os candidatos apresentarem as suas ideias e programas. LFV terá medo do debate, ou será de que o edifício paradisíaco da sua "brilhante gestão", venha abaixo com algumas perguntas incómodas? E também não se percebe, como é que tendo o Benfica, solidamente implantado, o modelo da votação eletrónica, em tempos de pandemia seja exigido aos sócios a presença física para votar. Porque os estatutos assim o exigem? É questão de mudar. Ele LFV mudou-os tantas vezes e segundo dizem, apenas no sentido de se perpetuar no cargo e afastar outros candidatos, que por uma vez mudar os estatutos no sentido do bem do clube, até serve para "desenjoar"...