|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

ARS de Lisboa e Vale do Tejo responde a Medina e garante colaboração

30 jun, 2020 - 09:44 • Miguel Coelho com redação

Laura Silveira, vice-presidente da Administração Regional de Saúde, explica na Renascença a estratégia para a região da Grande Lisboa. Fernando Medina pediu mudanças nas chefias da saúde.

A+ / A-

Veja também:


A vice-presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) garante que tem havido colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa no combate à pandemia de Covid-19 e diz que o objetivo é reforçar as medidas nos próximos dias.

É a resposta às críticas do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, que condenou a maneira como tem sido gerida a pandemia na região de Lisboa e sugeriu uma alteração das chefias nas autoridades de saúde.

Em entrevista à Renascença, Laura Silveira assegurou que o novo bolo de medidas para as 19 freguesias de Lisboa, Amadora, Loures, Odivelas e Sintra contempla "intervenção conjunta" de todas as autoridades, para "resolver os problemas específicos encontrados nestas áreas, de modo a reduzir o número de casos".

"Estão organizados reforços em horas de trabalho, para as pessoas que estão a apoiar as equipa de saúde pública poderem ter uma intervenção mais rápida na identificação dos casos e dos seus contactos e, depois, no terreno, haver uma ação de proximidade para obtermos resultados mais rapidamente, que é o que todos nós desejamos", afirmou depois de Fernando Medina ter criticado a ação no terreno e a demora nos resultados dos testes e dos inquéritos.

"A Câmara Municipal de Lisboa tem tido um trabalho imenso durante todo este tempo e temos tido uma colaboração muitissímo grande entre todas as entidades", reforçou a responsável da ARS da região LVT.

Transferência de doentes não é sinal de descoordenação

O Ministério da Saúde diz que a capacidade dos hospitais está longe de atingir a saturação, no entanto, há doentes a ser transferidos para Santarém. A vice-presidente da ARS de LVT nega que isso seja sinal de falta de coordenação entre as várias entidades.

No entender de Laura Silveira, a transferência de pacientes entre hospitais é a evidência de que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e os seus hospitais "funcionam de facto em rede" e em estrita colaboração.

"Todos os dias trabalhamos em rede, portanto há colaboração entre os hospitais e, quando se identifica que num hospital existe um fluxo maior do que o considerado adequado, tem-se feito transferências. As equipas de Santarém e de todos os hospitais da rede do SNS na região de Lisboa têm feito um grande trabalho", enalteceu a responsável.

A vice-presidente da ARS de LVT salientou, de resto, que não têm havido "grandes oscilações" no número de internados e de internados em unidade de cuidados intensivos nos hospitais de Lisboa.

"Os números têm estado mais elevados do que gostaríamos, mas estáveis", vincou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.