|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

China aprova vacina contra a Covid-19 exclusiva para uso militar

29 jun, 2020 - 11:10 • Olímpia Mairos

Governo chinês não esclarece se a vacinação vai ser obrigatória ou opcional. Até ao momento, nenhuma vacina foi aprovada para uso comercial contra a doença causada pelo novo coronavírus.

A+ / A-

A Ad5-nCoV é a vacina que a China lançou para uso militar. Foi desenvolvida pelo Laboratório CanSino Biologics e pelo Instituto de Pesquisa da Academia de Ciência Militar Chinesa e é uma das oito candidatas a vacinas aprovadas para testes em humanos.

Os ensaios clínicos revelaram que a vacina era segura e tinha alguma eficácia na prevenção de doenças causadas pelo coronavírus, o que levou as autoridades de Pequim a autorizar, nesta segunda-feira, a vacinação dos militares por um período de um ano.

"Atualmente, o Ad5-nCoV está limitado apenas ao uso militar e o seu uso não pode ser alargado para uma faixa mais ampla de vacinação sem a aprovação do Departamento de Suporte Logístico", disse o laboratório CanSino, citado pela Reuters.

O Governo chinês não esclarece se a vacinação vai ser obrigatória ou opcional e para já será de uso exclusivamente militar.

Até ao momento nenhuma vacina foi aprovada para uso comercial contra a doença causada pelo novo coronavírus, mas mais de uma dúzia de vacinas estão a ser testadas em seres humanos.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 498 mil mortos e infetou mais de 10 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus, detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia, em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.