Tempo
|
A+ / A-

TAP. Rio insiste em plano de negócios para não continuar a ser “sorvedor de dinheiros”

29 jun, 2020 - 13:12 • Marta Grosso

Presidente do PSD diz que, seja privada seja pública, a companhia aérea portuguesa não pode continuar a dar prejuízos e criticou o caráter regional que a empresa assumiu.

A+ / A-

“É preciso um plano de negócios” para que a TAP não continue a ser “um sorvedor de dinheiros públicos”, defende Rui Rio nesta segunda-feira.

De visita a Valongo, o presidente do PSD reafirmou os dois pontos essenciais da sua posição sobre a transportadora aérea portuguesa.

“Ponto 1, não vale a pena meter um euro na TAP se não houver um plano de negócios consistente para o futuro, senão significa que estamos a meter dinheiro agora e daqui por um ano estão a pedir mais e a TAP continua a ser um sorvedor de dinheiros públicos brutal como tem sido ao longo dos anos”, afirmou aos jornalistas.

E o plano de negócios tem de ser “realmente credível e valer a pena”, sublinha Rui Rio.

“Em segundo, se o Estado português mete dinheiro, é evidente que é o Estado português que tem de tomar a responsabilidade pela gestão da empresa”, defende.

“Senão, os contribuintes portugueses estão lá a meter dos seus impostos quase mil milhões de euros para serem os privados a gerir da forma que entendem, sem quase serviço público”, sustenta, aproveitando para lançar mais uma crítica: “já reparámos que, ainda por cima, se comportam como uma empresa regional que centra a sua atividade em Lisboa e esquece o resto do país todo”.

Estas declarações de Rui Rio surgem depois de o acionista da TAP, David Neeleman, ter vindo a público agradecer o apoio estatal e abrir as portas da gestão da empresa ao Estado.

O presidente do PSD reforça o que já disse: a TAP “não pode estar sistematicamente a dar prejuízos e os portugueses, através dos seus impostos, a pagar os prejuízos da TAP. Seja ela privada, seja ela pública. Nem de uma maneira nem de outra”, concluiu.

Rui Rio falou aos jornalistas à margem da visita ao aterro de Sobrado, em Valongo, contestado há vários anos pela população, por constituir um problema de saúde pública.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.