|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19 já infetou mais de 10 milhões de pessoas no mundo

28 jun, 2020 - 12:06 • Joana Bourgard Redação

Perto de meio milhão de pessoas morreram na sequência do novo coronavírus e já existem mais de cinco milhões de recuperados.​

A+ / A-
Veja também:

O número de infetados com a Covid-19 atingiu este domingo os 10 milhões de pessoas. Os números são do Instituto Johns Hopkins. Já o número de recuperados atingiu metade dos casos confirmados: mais de cinco milhões de pessoas.

As mortes aproximam-se agora de meio milhão (499.124).

Os Estados Unidos são o país com maior número de testes positivos, com mais de dois milhões de meio de infetados, quase o dobro do Brasil (1.3 milhões), o segundo com mais casos.

A Rússia e a Índia, com mais de meio milhão de infetados são o terceiro e quarto país com mais casos registados de infeção.

Em quinto surge o primeiro país europeu, o Reino Unido, com 311 mil casos de Covid-19. Portugal é o 36º país do mundo a registar mais casos, com 41.189 infetados (números de sábado).

O número de mortos causados pela Covid-19 está perto chegar ao meio milhão, com 499 milhões de pessoas a morreram da doença. O Estados Unidos são também o país com mais mortes, com 125 óbitos. O Brasil regista 57 mil mortes e o Reino Unido mais de 43 mil.

Mais de metade das pessoas que deram positivo no positivo para o novo coronavírus já recuperaram da doença. Este domingo, o número total de recuperados ultrapassa os cinco milhões. Brasil é o que regista mais recuperados (727), seguido dos Estados Unidos (679).

Em Portugal, mais de metade das pessoas que deram positivo para a Covid-19 (41.189) já recuperaram da doença. Ontem registaram-se mais de 26 mil recuperados. Existem 1.561 óbitos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.