Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Reino Unido abre “corredores aéreos” com países europeus, mas Portugal está excluído

27 jun, 2020 - 13:07 • Lusa

Desde 8 de junho que todas as pessoas que chegam do estrangeiro ao Reino Unido, incluindo britânicos, são obrigadas a permanecer em isolamento durante 14 dias .

A+ / A-

Veja também:


O Reino Unido vai abrir a 6 de julho corredores de viagem, que permitem aos turistas britânicos evitar a quarentena no regresso ao país, com um conjunto de países europeus a divulgar na segunda-feira, noticiou este sábado a BBC.

A emissora precisa que a lista de países deve incluir Espanha, França, Grécia, Itália, Alemanha, Holanda, Bélgica, Finlândia, Noruega e Turquia, mas não Portugal ou a Suécia.

Desde 8 de junho que todas as pessoas que chegam do estrangeiro ao Reino Unido, incluindo britânicos, são obrigadas a permanecer em isolamento durante 14 dias para reduzir a probabilidade de contágio da Covid-19.

Caso não respeitem a quarentena, incorrem numa multa de cerca de 1.000 euros.

Citado pela BBC, um porta-voz do governo afirmou que as novas regras vão dar aos britânicos “a oportunidade de umas férias de verão no estrangeiro”, mas frisou que o alívio de medidas depende da manutenção de um risco baixo de propagação do vírus.

O Governo “não hesitará em travar” as novas regras se a situação epidemiológica evoluir desfavoravelmente.

Portugal e a Suécia, que têm registado um aumento do número de infeções, deverão ser classificados com a cor vermelha, segundo o esquema de cores que Londres prevê aplicar.

O porta-voz citado pela BBC reconheceu, contudo, que nada impede um turista britânico de viajar para um aeroporto em Espanha, seguir de automóvel até Portugal e, depois das férias, regressar ao seu país da mesma forma, de carro até Espanha e, daí, de avião para o Reino Unido.

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, frisou à BBC que Portugal foi nomeado o destino mais seguro da Europa pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) e é um “destino ’clean & safe’”.

“Alguns países estão nesta lista e Portugal está a lutar por um lugar”, disse a secretária de Estado, acrescentando que a situação está “completamente sob controlo” e está a ser feito um número significativo de testes.

O setor de viagens e turismo britânico tem criticado a abordagem do governo às viagens para países europeus, considerando “encorajadora” a abertura de corredores aéreos, mas pedindo que eles sejam alargados a mais países, nomeadamente Portugal, destino de cerca de 3 milhões de turistas britânicos anualmente.

Segundo números oficiais de sexta-feira, o Reino Unido registou 43.414 mortos (em 309.360 casos de infeção) desde o início da pandemia Covid-19, o mais alto na Europa e o terceiro maior número a nível mundial, atrás dos EUA e Brasil.

Em Portugal, segundo os números da Direção-geral da Saúde (DGS) também de sexta-feira, morreram 1.555 pessoas das 40.866 confirmadas como infetadas.

A nível global, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 490 mil mortos e infetou mais de 9,68 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    27 jun, 2020 ILHAVO 16:27
    Estão mesmo à espera que um turista britânico vá de avião até Madrid e faça depois 700 ou mais quilómetros para ir uns dias ao Algarve? Hum...! Estou em crer que não, nas oxalá me engane. Os factos são: (1) apesar do (muito) pior estado da pandemia em muitos dos países merecedores de um lugar na lista dos que são "seguros" (?), umas das "melhores diplomacias do mundo" (não é verdade?) não foi suficientemente convincente a vender o "sucesso português", nem sequer a compará-lo com os insucessos alheios, e (2) objectivamente, o tal "sucesso" deixou pelo menos de ser evidente (?) há talvez duas semanas, sem que se tomassem medidas de imediato, parecendo termos ainda de esperar mais uns dias até se poder sancionar quem viole grosseiramente a lei. E quanto à segurança nas entradas no País, ... o melhor é nem falarmos! [Boas "tapas" no Caia e bacalhau em Elvas!]