Tempo
|
A+ / A-

Marcelo nega "descontrolo da pandemia" de Covid-19

24 jun, 2020 - 14:03 • Ricardo Vieira

Presidente da República defende "medidas específicas" e "atuação rápida" para travar Covid-19 em freguesias da região de Lisboa e Vale do Tejo. "Temos adotado a metodologia da verdade. Não escondemos números para ter cá a Champions, fazemos os testes que devem ser feitos”, sublinha Marcelo Rebelo de Sousa.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, nega qualquer descontrolo da pandemia de Covid-19 e defende "medidas específicas" e "atuação rápida" para travar a evolução da doença na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT).

O chefe de Estado falava esta quarta-feira no final de uma reunião com especialista, que teve lugar na sede no Infarmed, em Lisboa.

“Em momento algum se encontrou a ideia de descontrolo da pandemia, quer a nível nacional quer em Lisboa e Vale do Tejo, quer na evolução no número de mortes que na pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde", disse Marcelo Rebelo de Sousa, em conferência de imprensa.

O Presidente da República argumenta que "o que os números mostram não é descontrolo. Isso aconteceria com duplicação ou mais do número de casos e pressão de internados e internados nos cuidados intensivos".

"Não escondemos números por conveniência de ter cá a Champions"

“Não tem havido diminuição, mas tem havido estabilização do número de casos em 300 a 400, às vezes 200 infetados, tem havido aumento do número de testes nas últimas semanas, em particular em Lisboa e Vale do Tejo, e isso não pode ser esquecido, por causas de atividades como a construção civil, limpeza e trabalhadores precários", sublinhou.

"Temos adotado a metodologia da verdade. Não escondemos números, não guardamos números por conveniência de ter cá a Champions em disputa por outros países, fazemos os testes que devem ser feitos e que as pessoas querem livremente fazer”, sublinhou.

Em declarações esta quarta-feira à Renascença, Fernando Maltez, diretor de infecciologia do Hospital Curry Cabral, em Lisboa, disse que a situação em LVT "está descontrolada", mas não é dramática e pode ser revertida com as medidas certas e comportamentos mais responsáveis.

No final da reunião no Infarmed, o Presidente da República nega uma situação de descontrolo e argumenta que o R de Portugal, ou taxa de transmissão do novo coronavírus, está em linha com outros países que estão em fase de desconfinamento.

"Sobre o R em Portugal neste momento, esta em 1.08, com Lisboa e Vale do Tejo ligeiramente abaixo das outras regiões, com flutuações. Nas últimas semanas o R tem estado acima de 1", referiu Marcelo Rebelo de Sousa.

A reunião desta quarta-feira fez uma comparação com o desconfinamento noutros países europeus. "Confirmou-se que têm R acima de 1 ou abaixo de 1, mas muito perto de 1. A maioria acima de 1", adiantou o Presidente.

"O desconfinamento em termos diversos foi acompanhado pela subida do indicador de propagação do vírus nesses países", sublinhou.

Marcelo Rebelo de Sousa destaca o facto de Portugal estar no top cinco de países que mais testam por 100 mil habitantes.

"O número de testes nos vários países é muito diverso. Portugal está no grupo de cinco países que mais testes realizaram por 100 mil habitantes, o que não é indiferente para ser comparar o número de infetados. Há países que têm um quinto, um quarto, 60% dos testes de Portugal", assinalou.

MAPA DA COVID-19

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    25 jun, 2020 00:04
    É lamentável o que se tem passado. Já nem o Presidente da República se salva desta propaganda abjecta, conduzida pelo "chefe" do Governo. Tanto quanto se sabe, os especialistas presentes na reunião de hoje disseram coisa diferente do que foi anunciado pelo PR e "primeiro ministro" no final dessa reunião. Que credibilidade merecem estes dirigentes? Vale a pena ler a entrevista que o médico Roberto Roncon do Hospital de São João (Porto) deu ao Expresso. Só podemos sentir vergonha por sermos dirigidos por esta gente.
  • Americo
    24 jun, 2020 Ansiao 18:12
    Boa tarde. Não é descontrolo ? Pois é a reacção a v/ irresponsabilidade com o que aconteceu no 1º maio, no campo pequeno, etc.
  • José J Cruz Pinto
    24 jun, 2020 ILHAVO 17:24
    Eu diria que o descontrolo é absoluto e total - quase ninguém concorda com ninguém (nem controla nada nem ninguém)! Basta anotar o que continuam a dizer-nos o Presidente da República e os representantes das grandes superfícies comerciais, e o que dizem as autoridades de saúde ou os vários especialistas (por exemplo, o Director dos Serviços de Infecciologia do Curry Cabral), para já não falar da própria OMS. É mais ou menos "cada cabeça, sua sentença", com uma ou outra semelhança aqui, ou variante ali. Resume-se a isso, conjugado com o persistente aumento dos novos casos, o enorme "sucesso portugués" - ah, e a "Champions", claro! E, provavelmente, a consciência cívica dos Portugueses (a tal, ainda se lembram?) continua, como no início, a ser exemplo para todo o mundo! Até vão vir cá todos para ver e estudar como é que se faz, porque a entrada é livre (mas a nós poucos nos querem por perto). Não é assim? Parabéns!