|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Secretário-geral da ONU defende esforço coordenado para criar trabalho digno para todos

19 jun, 2020 - 18:26 • Ana Carrilho

António Guterres considera que a crise no mundo trabalho provocada pela Covid-19 põe mais "combustível na fogueira" do descontentamento e da ansiedade no mundo do trabalho.

A+ / A-

O secretário-gral da ONU, António Guterres, considera que a crise no mundo trabalho provocada pela Covid-19 põe "mais combustível na fogueira" do descontentamento e da ansiedade no mundo do trabalho e defende, por isso, um esforço coordenado para criar trabalho digno para todos.

Nos últimos meses, devido à pandemia, centenas de milhões de empregos foram eliminados. A perda das horas de trabalho equivale a 305 milhões de postos de trabalho e há 1.250 milhões de trabalhadores que têm emprego nos setores mais afetados.

O relatório das Nações Unidas, realizado com o contributo de diversas organizações da ONU lideradas pela OIT – Organização Internacional do Trabalho – e hoje divulgado, estima que as pessoas que trabalham na economia informal (a maior parte da força de trabalho a nível mundial) tenham perdido, em média, 60% do rendimento, só no primeiro mês da crise.

O prognóstico da ONU para os próximos tempos é preocupante: muitas das pessoas que perderam o emprego nos últimos meses não terão condições para voltar ao mercado de trabalho a curto prazo. E isso é particularmente grave para as mulheres - que estiveram “entre os primeiros a ser dispensados e que estarão entre os últimos a regressar”- devido à discriminação de género, condições de trabalho precárias, baixos salários, trabalho em setores mais atingidos pela pandemia ou por terem de cuidar dos filhos que, nesta fase, deixaram de ir à escola. Jovens, pessoas com deficiência ou em risco de exclusão também vão ter mais dificuldade em conseguir trabalho durante a retoma da economia.

Para as Nações Unidas, os efeitos da COVID-19 a longo prazo também são preocupantes já que põe em risco os esforços para reduzir a pobreza e desigualdades. Aliás, o Secretário Geral António Guterres refere que “põem mais combustível na fogueira do descontentamento e da ansiedade que já arde no mundo do trabalho”. Ao mesmo tempo, a crise pandémica mostra como a economia e o mercado de trabalho dependem um do outro. Esta interdependência deve ser redefinida de forma a gerar um mundo mais sustentável e inclusivo para todos.

A pandemia acelerou algumas tendências, nomeadamente a digitalização e o teletrabalho, que podem promover uma grande flexibilidade e sustentabilidade no futuro do mundo do trabalho. Mas por outro, as Nações Unidas temem que o desemprego massivo e da perda de rendimentos aprofundem a perda de coesão social e desestabilizem países e regiões, a nível social, político e económico.

Para enfrentar estes problemas, António reafirma as recomendações já anteriormente referidas pela OIT. Em primeiro lugar, apoiar os trabalhadores, as empresas, o emprego e rendimentos em risco, para evitar falências, perdas de postos de trabalho e rendimentos. Em segundo lugar, com o alívio das restrições, é preciso promover o regresso à atividade económica e ao trabalho com segurança e garantia dos direitos dos trabalhadores.

Finalmente, o secretário geral das Nações Unidas frisa a necessidade de mobilizar a comunidade internacional para uma recuperação inclusiva, verde, sustentável e centrada no ser humano, que aproveite o potencial das novas tecnologias.

Para António Guterres, “está na hora de fazer um esforço coordenado global, regional e nacional para criar trabalho digno para todas a as pessoas”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.