Tempo
|
A+ / A-

Papa denuncia "dramática situação" na Líbia

14 jun, 2020 - 11:49 • Aura Miguel

Apelou às organizações internacionais e a todos os que têm “responsabilidade políticas e militares” a procurar um caminho que leve ao “fim da violência”.

A+ / A-
Papa denuncia "dramática situação" na Líbia
Papa denuncia "dramática situação" na Líbia

No final da oração do Angelus, este domingo, Francisco apelou à comunidade internacional que ajude a reatar a paz na Líbia e se preste auxílio humanitário aos milhares de refugiados e deslocados em virtude da situação naquele país.

No final da oração do Angelus, este domingo, Francisco apelou à comunidade internacional que ajude a reatar a paz na Líbia e se preste auxílio humanitário aos milhares de refugiados e deslocados em virtude da situação naquele país.

“Sigo com grande apreensão e também com dor a dramática situação na Líbia, que tem estado presente nas minhas orações, nestes últimos dias”, começou por dizer o Papa, exortando de seguida “os organismos internacionais e os que têm responsabilidades políticas e militares a relançar com convicção e determinação a busca de um caminho para pôr fim à violência e que conduza à paz, estabilidade e unidade do país.”

Em seguida rezou pelos “milhares de migrantes refugiados, requerentes de asilo e deslocados internos na Líbia”.

A situação sanitária agravou as suas já precárias condições, “tornando-os mais vulneráveis a formas de exploração e violência. Há crueldade”, advertiu.

“Convido a comunidade internacional a preocupar-se com a sua condição, a identificar caminhos e fornecer meios para lhes garantir a proteção de que precisam, uma condição digna e um futuro de esperança. Todos temos responsabilidade disto, ninguém se pode considerar dispensado”, sublinhou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.