Tempo
|
A+ / A-

Maioria dos marroquinos que desembarcaram no Algarve em dezembro estão em paradeiro incerto

15 jun, 2020 - 18:28 • Lusa

Região do Algarve recebeu, nos últimos seis meses, 48 imigrantes ilegais provenientes do Norte de África.

A+ / A-

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras considerou infundados sete dos pedidos de proteção internacional formulados pelos oito marroquinos que desembarcaram no Algarve em 11 de dezembro passado, sendo que cinco deles estão em paradeiro desconhecido, informou esta segunda-feira o SEF.

O SEF refere que, além da resposta negativa dada a sete dos pedidos de proteção internacional, se registou "uma admissão tácita do pedido relativa ao menor que se encontrava no grupo", do qual "cinco encontram-se em paradeiro desconhecido".

Quanto ao desembarque de 11 cidadãos marroquinos, em 29 de janeiro último, o SEF esclareceu que "três foram já objeto de decisão ao pedido de proteção internacional apresentado que considerou o pedido infundado e oito não foram ouvidos pelo SEF por se encontrarem em paradeiro desconhecido".

Por outro lado, os sete cidadãos marroquinos que desembarcaram numa praia do Algarve no passado dia 6 de junho foram acolhidos pelo Conselho Português para os Refugiados.

"Atualmente, já se encontram agendadas as respetivas entrevistas no Gabinete de Asilo e Refugiados do SEF", adianta o SEF.

A informação prestada pelo SEF não adianta pormenores sobre o caso dos 22 migrantes oriundos do Norte de África que hoje foram detetados ao largo de Quarteira, Faro.

Os 22 migrantes são todos do sexo masculino, encontram-se atualmente à guarda do SEF, que está a desenvolver os procedimentos necessários para apurar as suas identidades, bem como avaliar o enquadramento da situação, uma vez que chegaram sem documentos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo eu
    01 out, 2020 cá 09:32
    Façam o mesmo que eles, mas em sentido inverso: metam-nos no bote onde vieram, reboquem-nos até ao limite das aguas de Marrocos e depois a marinha marroquina que os recolha.
  • claudio nero
    16 jun, 2020 Senegal 10:10
    Portugal tem um Desgoverno que protege o Infractor e o Povo Português é Invisível Num Governo Democrático acionavam os Mecanismos para Repatriar porque o Povo não é Obrigado dar Subsídios Casa e Roupa lavada enquanto o Povo tem uma reforma Miséria
  • pedro vieira
    15 jun, 2020 santa maia da feira 23:47
    ExtrAdiçao e rapido. obrigado