|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

Segurança Social apoiou trabalhadores e empresas com 778 milhões de euros

16 jun, 2020 - 16:41 • Susana Madureira Martins , com redação

Ministra Ana Mendes Godinho ouvida no Parlamento. Prevê encontrar alojamento para 584 pessoas sem-abrigo.

A+ / A-

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social faz as contas às medidas de apoio às empresas e trabalhadores. Até ao momento, foram apoiadas 1 milhão e 222 mil pessoas, 144 mil empresas, num total de 778 milhões de euros.

Ana Mendes Godinho falava esta terça-feira no Parlamento, na apresentação do Orçamento Suplementar.

Aos deputados explicou que só ao abrigo do “lay-off” simplificado a Segurança Social já pagou ajudas de 580 milhões de euros, a cerca de 105 mil empresas.

A ministra do Trabalho anunciou que, ainda esta semana, é aprovado o decreto de lei que regula o “lay-off” a partir de julho, “procurando garantir que ficam cobertos os períodos de transição”.

Ana Mendes Godinho acrescentou que, esta semana, estão a ser pagos 220 milhões de euros em prorrogações do “lay-off” simplificado.

A ministra do Trabalho deu também conta dos apoios às pessoas vulneráveis, em particular aos sem-abrigo.

“Em relação às pessoas mais vulneráveis, fomos garantindo a criação de espaços para as pessoas em situação de sem-abrigo. Foram criados 21 espaços de acolhimento em todo o país, para 570 pessoas, numa grande articulação com os núcleos a nível local e com as camaras municipais”, referiu Ana Mendes Godinho.

Está em curso um programa de acompanhamento e inserção dos sem-abrigo que estão nestes espaços. Nesse sentido, a ministra prevê “encontrar alojamento para 584 pessoas, entre projetos de ‘housing first’, que já estão 13 projetos aprovados para 324 pessoas, e apartamentos partilhados para 260 pessoas”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.