"O vírus é democrático mas a doença não é"

11 jun, 2020 - 18:17

A tese de um "vírus democrático" que apanha um banqueiro ou um operário tem que se lhe diga. O chavão faz algum sentido no plano biológico mas menos na dimensão social dos seus impactos, advertem o economista Pedro Pita Barros e o sociólogo Pedro Góis, convidados do programa "Da Capa à Contracapa" da Renascença em parceria com a Fundação Francisco Manuel dos Santos

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.