|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

África ultrapassa a barreira dos 200 mil infetados

12 jun, 2020 - 10:30 • Lusa

O número de doentes recuperados é agora de 97.068.

A+ / A-

O continente africano regista mais de 216 mil casos de Covid-19, contabilizando 5756 mortos, mais 78 do que na quinta-feira, segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).

Os mais recentes dados da pandemia no continente indicam que o número de infetados passou de 209.438 para 216.446, ou seja, mais 7.008 pessoas com o novo coronavírus.

O número de doentes recuperados é agora de 97.068, mais 1.795 do que os 95.273 registados na quinta-feira.

A região do continente mais afetada pelo novo coronavírus continua a ser o Norte de África, com 2.454 mortos, em 61.615 casos.

O Egito é o país com mais mortos (1.377) em 39.726 infeções, seguindo-se a África do Sul e depois a Argélia, com 741 vítimas mortais e 10.589 infetados.

Entre os países africanos lusófonos, a Guiné-Bissau é o que tem mais infeções, com 1.389 casos, registando 12 mortos.

Cabo Verde tem 657 infeções e seis mortos e São Tomé e Príncipe contabiliza 632 casos e 12 mortos, segundo as autoridades locais.

Moçambique conta 489 doentes infetados e dois mortos e Angola tem 118 casos confirmados de covid-19 e cinco mortos.

A Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mantém há vários dias 1.306 casos e 12 mortos, segundo o África CDC.

O primeiro caso de Covid-19 em África surgiu a 14 de fevereiro no Egipto, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 418 mil mortos e infetou mais de 7,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.