Tempo
|
A+ / A-

Caução de um milhão de dólares para polícia acusado da morte de Floyd

08 jun, 2020 - 23:12 • Redação

O agente, entretanto demitido e acusado, foi presente pela primeira vez perante uma juíza.

A+ / A-

O ex-polícia Derek Chauvin, acusado da morte de George Floyd nos Estados Unidos por asfixia, compareceu esta segunda-feira pela primeira vez perante uma juíza. Foi-lhe aplicada uma caução de um milhão de dólares (cerca de 890 mil euros) para ficar em liberdade condicional.

O antigo agente, de 44 anos, está detido numa prisão de alta segurança.

Chauvin é acusado de homicídio em segundo grau e arrisca uma pena máxima de 40 anos de prisão.

Desde que George Floyd morreu, após ter sido asfixiado durante mais de oito minutos pelo polícia, manifestações, algumas pacíficas e outras violentas, têm proliferado em muitas cidades nos Estados Unidos e até fora do país.

Os outros três agentes envolvidos no caso foram despedidos da polícia e acusados depois de terem ficado a assistir à ação de Derek Chauvin sem nada terem feito para o parar.

Realiza-se esta terça-feira o funeral em Houston, no Texas, onde reside a família do afro-americano morto em Minneapolis.

Floyd cresceu numa zona de Houston chamada Third Ward e era um conhecido jogador de futebol americano no secundário além de ter colaborado como 'rapper' com o famoso músico local DJ Screw. Mudou-se para Minneapolis há vários anos para procurar trabalho.

George Floyd, de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de a vítima dizer que não conseguia respirar.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.