|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Vaticano detém empresário por papel na compra de edifício de luxo em Londres

06 jun, 2020 - 01:24

Gianluigi Torzi é acusado de extorsão, desvio de dinheiro, fraude agravada e branqueamento de capitais.

A+ / A-

A Santa Sé anunciou esta sexta-feira a detenção de um empresário italiano, Gianluigi Torzi, no âmbito de uma investigação sobre a compra de uma propriedade de luxo em Londres.

Segundo a Santa Sé, Torzi desempenhou um papel fundamental na compra do condomínio de luxo inglês, por parte da Secretaria de Estado do Vaticano.

O edifício foi comprado por um conjunto de empresas, incluindo a Secretaria de Estado e a divulgação do negócio causou polémica, numa altura em que o Vaticano está a empreender esforços para tornar as suas finanças mais transparentes.

Torzi é acusado de vários crimes de extorsão, desvio de dinheiro, fraude agravada e branqueamento de capitais”, diz o comunicado da sala de imprensa da Santa Sé, acrescentando que estes crimes incorrem em sentenças de até 12 anos de prisão.

O edifício custou centenas de milhões de euros à Santa Sé e foi adquirida a outro empresário italiano chamado Raffaele Mincione, que geria somas avultadas de dinheiro da Secretaria de Estado.

Segundo o site “Catholic News Agency”, a empresa de Minicone vendeu 30 mil de 31 mil ações do fundo que controla o edifício, mas manteve, com essas mil ações, os votos necessários para controlar o fundo. Essas ações foram mais tarde vendidas à Secretaria de Estado a um preço muito inflacionado. O mediador desse negócio, segundo a CNA, foi Torzi, que recebeu 10 milhões de euros pelo seu papel.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.