|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Migrantes intercetados em Olhão testam negativo à Covid-19 e seguem para Lisboa

06 jun, 2020 - 23:42 • Lusa

Os homens estavam num barco.

A+ / A-

Os sete migrantes oriundos do Norte de África detetados ao largo de Olhão apresentaram resultados negativos nos testes à Covid-19 e vão ser transferidos para Lisboa, informou o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

“O grupo, composto por elementos do sexo masculino entre os 20 e os 30 anos, será ainda hoje transferido para Lisboa e acolhido pelo Conselho Português para os Refugiados”, lê-se numa nota enviada pelo SEF.

Segundo o SEF, “ao abrigo do quadro de proteção internacional aplicado em outros casos de cidadãos estrangeiros resgatados no Mediterrâneo, será registado o pedido de proteção internacional destes sete migrantes”.

Quando foram intercetados, ao final da manhã deste sábado, os homens tinham consigo, no barco em que se faziam transportar, roupa, comida e jerricãs de combustível, referiu à agência Lusa a Autoridade Marítima.

O barco, com seis metros, foi intercetado por duas embarcações da Polícia Marítima de Olhão e de Faro pelas 12h15, junto à ilha da Culatra, na Ria Formosa, no concelho e distrito de Faro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Observador
    07 jun, 2020 Portugal 10:34
    Mas quais refugiados, quais migrantes, qual quê? Há guerra em Marrocos? Chamem-lhes imigrantes ilegais que é o que eles são e como tal devem ser tratados. Só em testes anti-covid, alimentação, alojamento, exames médicos, pessoal para tratar deles, já custaram bom dinheiro e parece que ninguém pensa nisso. A nossa humanidade, a nossa humanidade... Olhem, comecem por mostrar a "nossa humanidade" a quem anda por aí desesperado que perdeu empregozeco com a covid, que embora pago com bolotas, era a única coisa que os mantinha com a cabeça fora de água. E podem crer que têm muita "humanidade" para distribuir...