Tempo
|
A+ / A-

Eutanásia: Isabel Moreira vai fazer texto de consenso para nova lei

03 jun, 2020 - 22:28 • Lusa

A decisão saiu da primeira reunião do grupo de trabalho, presidido pela deputada do PSD Mónica Quintela, criado pela comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, que vai debater, na especialidade, os projetos, votados na generalidade, da autoria do PS, BE, PEV, PAN e Iniciativa Liberal.

A+ / A-

A deputada Isabel Moreira, do PS, vai fazer um primeiro projeto de texto de substituição para uma lei da despenalização da morte medicamente assistida, a partir dos cinco diplomas aprovados no parlamento, disse à agência Lusa fonte parlamentar.

A decisão saiu da primeira reunião do grupo de trabalho, presidido pela deputada do PSD Mónica Quintela, criado pela comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, que vai debater, na especialidade, os projetos, votados na generalidade, da autoria do PS, BE, PEV, PAN e Iniciativa Liberal.

Após a aprovação na generalidade, na Assembleia da República, em 20 de fevereiro, os projetos de lei baixaram à comissão para discussão e votação na especialidade, antes de subir de novo a plenário, caso exista maioria para tal.

Tem sido habitual as comissões decidirem formar grupos de trabalho para discutir em pormenor as leis, tentar um texto consensual – o chamado texto de substituição – e fazer votações indiciárias, ou indicativas, antes de ser votado em comissão.

Na reunião de hoje do grupo, foi igualmente decidido que o trabalho da legislatura anterior (2011-2015) seja utilizado no trabalho dos deputados, no caso extensos relatórios sobre duas petições em debate no parlamento e as respetivas audições, de movimentos, personalidades e entidades a favor e contra a eutanásia.

O grupo de trabalho já tinha sido criado pela comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, antes de o parlamento funcionar com restrições devido à pandemia de covid-19, mas ainda não tinha realizado qualquer reunião, o que só aconteceu hoje.

A Assembleia da República aprovou em 20 de fevereiro, na generalidade, os cinco projetos para despenalização da morte medicamente assistida.

Os diplomas preveem que só possam pedir a morte medicamente assistida, através de um médico, pessoas maiores de 18 anos, sem problemas ou doenças mentais, em situação de sofrimento e com doença incurável.

Propõem também a despenalização de quem pratica a morte assistida, nas condições definidas na lei, garantindo-se a objeção de consciência para os médicos e enfermeiros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    04 jun, 2020 Trofa 09:06
    Estão este labregos a falar em eutanásia, quando o pais e o mundo, principalmente pessoas ligadas a saúde, tudo fazem para salvar pessoas desta pandemia, e vem este políticos, de meia tigela falar em Eutanásia, sejam sérios