|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Três polícias que assistiram à morte de George Floyd também acusados

03 jun, 2020 - 19:18 • Filipe d'Avillez

O suspeito principal será acusado de homicídio voluntário e os restantes agentes de cumplicidade.

A+ / A-

Os três polícias que estiveram presentes durante a detenção de George Floyd, efetuada por um quarto polícia, que acabou por o matar, vão ser acusados.

Quatro polícias foram chamados ao local, em Minneapolis, depois de um lojista ter telefonado a queixar-se de um homem que tinha tentado comprar cigarros com uma nota de 20 dólares falsa. Durante a detenção o suspeito, um afro-americano de 46 anos chamado George Floyd, foi imobilizado enquanto um agente policial se colocou por cima dele, com um joelho a pressionar o seu pescoço.

Apesar dos apelos do próprio, que disse que não conseguia respirar, e de vários transeuntes que filmaram a cena, o agente manteve-se assim durante oito minutos, o que resultou na morte de Floyd por asfixia.

Os quatro agentes foram imediatamente afastados da polícia e dias mais tarde Derek Chauvin foi acusado formalmente de homicídio. Esta quarta-feira essa acusação foi elevada a homicídio em segundo grau, ou seja, homicídio voluntário não premeditado.

Os outros três agentes que estiveram presentes mas não tentaram impedir o seu colega de matar Floyd vão ser acusados de cumplicidade.

No início desta semana o chefe da polícia de Minneapolis já tinha afirmado que, a seu ver, os outros agentes envolvidos eram cumplices na morte de George Floyd.

A morte de Floyd motivou uma onda de protestos que degeneraram em vários dias de violência e motins em vários pontos dos Estados Unidos, dos quais já resultaram mais uma mão cheia de mortos. Houve ainda protestos em vários outros países, em solidariedade.

[Notícia atualizada às 19h44]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.