|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

O teletrabalho e a diversidade de situações

03 jun, 2020 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O futuro do teletrabalho terá de contar com a diversidade de situações, seja na empresa e/ou serviço e no tipo de trabalho, seja na personalidade e nas condições domésticas de cada trabalhador. Não pode haver uma fórmula genérica única.

A pandemia levou à multiplicação de casos de teletrabalho, trabalhar a partir de casa graças aos computadores e à internet. Uma vez ultrapassada a pandemia, irá manter-se o teletrabalho?

Certamente haverá mais pessoas a trabalhar a partir de casa do que antes do coronavírus. Mas essas pessoas não podem ser obrigadas pelas empresas – o teletrabalho só será legal desde que haja acordo entre o trabalhador e o patrão.

Claro que há atividades onde o teletrabalho é impossível – na construção civil, por exemplo, ou no fabrico de automóveis. E outras, como a medicina, onde é preciso tomar cuidado para não se deteriorar a relação entre médico e paciente. Pois se hoje já há quem se queixe de que os médicos olham mais para os computadores do que para eles...

Na mesma empresa haverá certamente quem goste de trabalhar em casa e quem precise do contacto humano que a empresa lhe proporciona – são pessoas que precisam da socialização no trabalho para não se deprimirem. Essa diversidade terá que ser respeitada. Como, para os que escolhem o teletrabalho, é necessária uma clara e justa definição do tempo de trabalho em casa, para evitar abusos.

Depois, há quem tenha condições em casa de isolamento e concentração para trabalhar no computador e quem não as tenha – por exemplo, porque tem filhos pequenos em casa, que perturbam a concentração.

Para as empresas e para os serviços públicos onde seja possível o teletrabalho, este poupa espaço, logo pode baixar custos. Mas diminui aquilo a que se chama a “cultura de empresa”. E quem trabalha em casa evita o custo e o incómodo da deslocação diária para a empresa ou serviço.

Em suma, o futuro do teletrabalho terá de contar com a diversidade de situações, seja na empresa ou no serviço e no tipo de trabalho, seja na personalidade e nas condições domésticas de cada trabalhador. Não pode haver uma fórmula genérica única para empresas e serviços públicos e para trabalhadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.