|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Transparência no Vaticano

Papa publica “código único” para controlar contratos públicos e gestão de bens na Santa Sé

01 jun, 2020 - 11:46 • Aura Miguel

É mais um passo no longo caminho do combate à corrupção no Vaticano e entra em vigor em julho.

A+ / A-

O Papa instituiu um “código único” que permite relacionar questões económicas e critérios de gestão das várias entidades do Vaticano com princípios de transparência e maior controlo, com vista a uma correta gestão dos bens e do património.

O novo documento assinado pelo Papa, em forma de “Motu proprio” e publicado nesta segunda-feira, incide sobre a transparência, o controlo e a concorrência nos procedimentos para a adjudicação de contratos públicos da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano. Entra em vigor daqui a um mês.

O documento resulta de um trabalho coordenado pela Secretaria de Estado que envolveu várias entidades da Cúria Romana, incluindo o Conselho de Economia, a Secretaria de Economia, a Administração do Património da Sé Apostólica e o governo administrativo do Vaticano.

Segundo o comunicado divulgado pela Sala de Imprensa da Santa Sé, “esta legislação insere-se na legislação internacional mais avançada sobre o assunto” e o seu princípio norteador “é a diligência do bom pai da família, que deseja uma gestão eficaz e ética de seus recursos, o que, ao mesmo tempo, promove a transparência, o controlo e o tratamento justo da concorrência real entre aqueles que desejam estabelecer uma relação económica com as entidades interessadas”.

Através desta lei-quadro, o Papa aposta num controlo centralizado das despesas, com vista “a uma melhor gestão dos recursos e à redução do perigo da corrupção”, lê-se no comunicado Vaticano.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.