|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Futebol. Graça Freitas não exclui hipótese de haver jogos com público esta temporada

01 jun, 2020 - 14:06 • João Carlos Malta

O campeonato regressa depois de amanhã em Famalicão, com o equipa da casa a receber o FC Porto, e a diretora-geral da Saúde não quer que se deite tudo a perder, porque o futebol voltar foi uma grande conquista. Quanto a haver público nas bancadas nos jogos que faltam, diz que será avaliado a cada momento, mas não fecha a porta.

A+ / A-

Veja também:


A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, não põe de parte que os estádios de futebol possam ter público até ao final da temporada. À questão se isso era uma possibilidade, na conferência de imprensa diária desta segunda-feira, disse: “Não sei responder, vai depender de uma avaliação rigorosa, dos prós e dos contras”.

A mesma responsável afirmou ainda que a prática da DGS, nos últimos meses, tem sido a de se adaptar ao risco que existe, mas também “àquilo que imaginamos que serão os dias seguintes”.

“Temos de acompanhar muito bem, e a cada momento fazer a avaliação do risco”, disse Graça Freitas, não fechando a possibilidade de haver adeptos nas bancadas do estádios naquilo que falta jogar neste campeonato.

Mas, para já, os jogos vão começar sem público, e o primeiro é o que opõe o Famalicão e o FC Porto. Apesar desta determinação, o líder dos Super Dragões, Fernando Madureira, já disse que iria acompanhar a equipa portista desde o hotel em que os jogadores estão em estágio até ao estádio da turma minhota. Madureira assegurou que iriam ser respeitadas todas as medidas de segurança para evitar a propagação da Covid-19.

Já esta segunda-feira, em entrevista à Renascença, o subintendente Pedro Grilo disse que a retoma do campeonato está a ser gerida com o maior dos cuidados e deixou um alerta: "O agravamento da situação pode levar a uma suspensão do campeonato."

Sobre este assunto, e comentando a vontade da claque do FC Porto, Graça Freitas começou por dizer que a lotação dentro dos estádios, a comemoração dos golos, as entradas e saídas dos recintos, são uma “situação complexa”. “Por isso a maioria das outras ligas fez o mesmo que Portugal”, lembra. Ou seja, jogos sem público.

A mesma Graça Freitas aproveitou para fazer um apelo “à responsabilidade pessoal”, e relembrou o que já havia sido dito na conferência de imprensa pela secretária de Estado adjunta e da Saúde, Jamila Madeira. “O vírus está a circular, ele não parou. Se o deixarmos andar ele vai continuar”, enfatiza.

A diretora-geral da Saúde diz que é muito importante respeitar as regras nas imediações dos estádios e em cafés. “É um apelo muito importante”, garante.

A diretora-geral da Saúde relembrou que houve um grande esforço para que o campeonato de futebol fosse retomado, porque se entendeu a sua importância em termos económicos e culturais. “Foi uma concretização importante, um esforço enorme para que possam existir jogos e todos temos de garantir que a época acaba em segurança”, disse.

“Não vamos deitar a perder o que conquistamos com tanto esforço”, reforça Graça Freitas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    01 jun, 2020 ILHAVO 15:54
    Esta da grande "importância económica e cultural " do futebol é simplesmente "de loucos" - 0,25 % do PIB e, quanto a cultura, ... é melhor nem falar! E, se do futebol resultarem mais surtos da doença, é o futebol que as vai pagar na íntegra, acabe ou não insolvente?