Utentes das carreiras do Porto queixam-se de falta de oferta

27 mai, 2020 - 15:37 • Inês Rocha

Nas ruas do Porto, os habitantes das periferias da Área Metropolitana, que têm de confiar em operadores privados como a Gondomarense, a MGS, a Espírito Santo ou a Maia Transportes para se deslocarem, queixam-se de falta de oferta e, consequentemente, de terem de andar em autocarros cheios, sem cumprir o distanciamento social. As transportadoras privadas reduziram oferta para cerca de 30% e a ANTROP avisa: se junho trouxer pico de procura nos transportes privados, “não temos capacidade para reforçar a oferta”.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor

Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.