|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Missionário português no Brasil: "Estamos a atravessar três pandemias"

26 mai, 2020 - 16:48 • Henrique Cunha

“Tem a pandemia propriamente dita, tem a pandemia económica e social, que todos os países estão a passar, e temos ainda a pandemia que se chama ‘presidente Jair Bolsonaro’", diz à Renascença Alfredo Gonçalves, padre português que soma 50 anos de Brasil.

A+ / A-

O Brasil não vive uma pandemia, mas sim três pandemias em simultâneo, na perspetiva de Alfredo Gonçalves, padre português, missionário scalabriano, congregação que se dedica ao trabalho com as migrações, e assessor para a mobilidade humana da Conferência Episcopal Brasileira.

“Nós estamos, na verdade, a atravessar três pandemias simultâneas”, afirma o sacerdote à Renascença. “Tem a pandemia propriamente dita, tem a pandemia económica e social, que todos os países estão a passar, e temos ainda a pandemia que se chama ‘presidente Jair Bolsonaro’, que é uma pandemia muito séria.”

O padre Alfredo Gonçalves soma 50 anos de Brasil e afirma que, neste momento, a instabilidade no país é alimentada pelo próprio Governo federal. “Corre um inquérito no supremo tribunal federal contra Bolsonaro e no congresso nacional existem 32 pedidos de impeachment do presidente”, lembra.

O sacerdote garante que no Brasil “não faltam exemplos no sentido de demonstrar que a pandemia é séria”.

“As autoridades e a ciência a nível mundial mostram que é preciso levar a sério tudo isso”, mas “o Governo continua divulgando o uso da cloroquina, pressionando para que tudo volte ao normal, pressionando as empresas contra os governadores que são os que têm a decisão de abertura ou de isolamento”.

"O governo federal continua na contramão, continua pressionando para que tudo se acabe, para que tudo volte ao normal. É o discurso do negacionismo”, acusa o missionário português.

Regresso das celebrações comunitárias ainda sem data

No Brasil, um dos países da América do Sul que concentra maior preocupação face ao alastrar da pandemia, ainda não há data para o regresso das celebrações comunitárias.

Por agora, a Conferência Episcopal Brasileira continua, de acordo com o padre Alfredo Gonçalves, "muita afinada" com as indicações da Organização Mundial de Saúde. O sacerdote lembra que as igrejas continuam fechadas e que a Conferência Episcopal "está ao lado das autoridades de saúde e o povo também”.

Para incentivar a prevenção, a maior estátua católica do mundo está, desde a última semana, a usar máscara. Representa Santa Rita de Cássia e situa-se num santuário no interior do Nordeste do Brasil, no estado do Rio Grande do Norte.

“É mais um exemplo para demonstrar que a pandemia é muito séria, apesar de o Governo de Bolsonaro continuar a negar a gravidade da situação”, remata Alfredo Gonçalves.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.