|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Postal de Quarentena – Santa Cruz, Madeira

Deixou de haver poncha e espetadas, mas houve Ronaldo!

25 mai, 2020 - 06:15 • Pedro Reis Pereira*

A Madeira está há vários dias sem novos casos de coronavírus, mas como tantas outras regiões, vê agora o seu futuro ameaçado por uma provável crise no turismo.

A+ / A-

Leia também:


A Ilha da Madeira tem uma população de aproximadamente 260.000 habitantes, aos quais se juntam cerca de milhão e meio de turistas ao longo do ano, o que define direta ou indiretamente a vida de toda a região.

Perante a pandemia, havia, pois, que preservar a imagem da região no mundo, mas acima de tudo salvaguardar a saúde dos madeirenses cujo sistema de saúde, dimensionado para a sua população residente, apresentaria necessariamente fragilidades se confrontado com os efeitos dramáticos do descontrolo da doença Covid–19.

Cientes dessa realidade, as autoridades locais reagiram com dureza e rapidez.

Os madeirenses, na sua esmagadora maioria, estavam já confinados às suas habitações enquanto o governo regional clamava pelo encerramento de aeroportos a voos oriundos de zonas de transmissão ativa do vírus.

Pelo meio, estudantes universitários e outros madeirenses espalhados pelo mundo tentavam desesperadamente voos de regresso a casa.

Milhares de turistas foram abandonando os hotéis e regressando aos seus países de origem. Alojamentos turísticos, estabelecimentos de bar e restauração fecharam suas portas estagnando quase por completo a vida económica da ilha. Determinou-se o confinamento obrigatório em unidades hoteleiras à chegada ao aeroporto e, logo que surgiram indicações preocupantes, avançou-se para a cerca sanitária no concelho de Câmara de Lobos, entre outras decisões complementares.

Este povo “estóico e valente” estava sozinho, isolado, como tantas vezes havia estado no seu passado histórico... A “poncha” de fim de dia entre amigos, a sua cerveja “Coral” acompanhada de um “dentinho”, os habituais convívios à volta de uma “espetada”, as esplanadas repletas, cortejos coloridos de celebração da flor, enfim, tradições permitidas pelo clima ao longo de todo o ano deixaram de acontecer…

Mas havia Cristiano Ronaldo! A permanência do astro na sua terra animou as gentes. As suas publicações nas redes sociais mostrando ao mundo a beleza e a segurança sanitária da “Pérola do Atlântico” tiveram impacto emocional e, espera-se, também no “destino Madeira”.

Numa região ultraperiférica de “montanha agreste” qualquer sobressalto económico atira milhares de pessoas para a pobreza, mas não tardaram as reacções de solidariedade.

Funcionários de hotelaria com apoio de empresários e associações de cariz solidário montaram uma rede informal de apoio a carenciados com fornecimento de refeições.

A Associação Desportiva da Camacha, na terra onde se jogou futebol pela primeira vez em Portugal, adaptou a sua estrutura para o mesmo fim.

Daniel Spínola, um jovem estudante universitário que se preparava para fazer voluntariado na Turquia, confinado em casa, lançou mãos à obra para lavar carros e enviar os lucros para a OMS.

Como sempre, a ilha não se resignou mas junto ao aeroporto não se vê, nem se ouve, o frenesim habitual dos aviões a descolar ou aterrar, sinal de que o conceito de “nova normalidade” poderá não ser mais do que a continuação do isolamento geográfico, social e económico.

Os números residuais de infectados e a ausência de mortes por Covid-19 (nesta data) são agora a réstia de esperança da Ilha da Madeira na ressaca da primeira vaga de um vírus que, para além da saúde humana, atacou o sector mais importante da vida económica madeirense.

*Pedro Reis Pereira é natural de Póvoa do Lanhoso, no continente, mas vive na Madeira desde que casou com Lénia, com quem tem dois filhos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.