|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

Crise na UE. Centeno acredita em "recuperação relativamente rápida"

24 mai, 2020 - 16:52 • Redação

O presidente do Eurogrupo realça que o fundo de recuperação económica de 500 mil milhões de euros, anunciado pela França e pela Alemanha, é um passo certo rumo a esse objetivo.

A+ / A-

Mário Centeno acredita que a União Europeia (UE) conseguirá ultrapassar a crise económica provocada pela pandemia do novo coronavírus de forma "relativamente rápida" e considera que o fundo de recuperação económica de 500 mil milhões de euros, proposto pela França e pela Alemanha, é um passo certo rumo a esse objetivo.

Em entrevista ao semanário alemão "Welt am Sonntag", o ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo salientou que esta crise não é a mesma de 2008 e que, face a esse período, a UE tem, agora, "instituições mais fortes, bancos mais fortes, finanças públicas mais fortes e uma posição comercial equilibrada".

Nesse sentido, Centeno elogia a proposta conjunta de França e Alemanha, "um passo corajoso na direção certa para ultrapassar a crise" da Covid-19.

“Este enorme estímulo acelerará fortemente a recuperação económica. Na atual previsão da UE, a Alemanha atingirá os níveis de PIB de 2019, no final de 2021. Nem todos os países da UE são capazes de combater a crise com tanto sucesso quanto a Alemanha, porque não possuem o mesmo poder. Mas até ao final de 2022, a maioria, senão todos, dos países da UE retornará aos níveis do PIB em 2019", afiança.

Embora estes dados não sejam "motivo para celebrar", permitem perceber que a crise provocada pela pandemia "não é o fim do mundo". Por isso, o presidente do Eurogrupo manifesta uma convicção: "Podemos ter certeza de uma recuperação relativamente rápida."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.