|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus

Covid-19 nos lares. “Se não fossem os voluntários, podia ter sido uma tragédia”

23 mai, 2020 - 10:30 • Filipe d'Avillez

Quando ocorreu um surto de coronavírus num lar da Santa Casa da Misericórdia, em Vila Nova de Foz Côa, era preciso uma resposta urgente. Assim nasceu o COmVIDas.

A+ / A-

Veja também:


A mensagem não deixava margem para dúvidas: “Não é 'fake news', é a sério, e é para amanhã”.

Um padre da diocese de Lamego pedia voluntários para o lar de idosos de Vila Nova de Foz Côa, dias depois de ter sido detetado um surto de coronavírus. O apelo, e a rede de contactos, funcionou.

“Em menos de 24 horas, tínhamos mais ou menos 100 voluntários prontos para partir em missão”, explica Rita Almeida e Brito, de 23 anos. Eram na sua esmagadora maioria novos e saudáveis, por isso de baixo risco, mesmo se viessem a ser infetados.

Apesar da pouca idade, Rita é veterana de voluntariado e já tinha experiência de organizar ajudas e apoios a idosos, mas rapidamente se tornou evidente que este não podia ser apenas mais um projeto.

“Percebemos a necessidade de formação em segurança na saúde e começámos a pensar como é que seria toda a parte logística, para conseguirmos dar a resposta mais eficaz e segura nesta altura, sabendo sempre que todos os passos teriam de ser prudentes e tudo o que fizéssemos teria de ser de uma forma cautelosa”, diz a aluna de quarto ano de enfermagem, de Lisboa.

Assim nascia o COmVIDas e foi assim que o lar de Foz Côa, que chegou a ter cerca de 80 casos de infeção, dos quais cerca de 20 funcionários e 60 utentes, passou a ter equipas de 11 voluntários, que se foram revezando até que a situação ficou resolvida, esta semana. Dos 60 utentes infetados, todos de idade avançada, morreram seis. Mortes que o presidente da Câmara, Gustavo de Sousa Duarte, lamenta, sabendo, todavia, que a situação tinha tudo para ser muito pior.

“Isto podia ter sido uma tragédia, e não foi, em larga medida por causa dos voluntários”, diz, em declarações à Renascença.

O autarca aponta o trabalho do COmVIDas como um excelente exemplo do melhor que se pode fazer quando a sociedade civil e as autoridades juntam esforços. “Só temos de agradecer a estes voluntários que vieram para aqui desde a primeira hora, disponibilizaram-se a isso”, afirma.

O provedor da Santa Casa da Misericórdia local, que gere o lar, faz uma avaliação igualmente positiva da experiência com estes voluntários. “Foram excelentes, dedicadíssimos, organizados. Espero não os voltar a ter cá tão depressa, mas que voltem cá por razões mais agradáveis”, brinca.

António Morgado sublinha o quanto a população local ficou agradecida, em parte porque a intervenção de todos os envolvidos, incluindo as três equipas de voluntários que passaram pelo lar, permitiu que a situação ficasse confinada: “Não passou dos idosos, dos trabalhadores e dos familiares dos trabalhadores. Não se propagou além destes três grupos de cidadãos.”

Formação por Zoom, missão real

Entre os voluntários, encontrava-se Inês Sousa Soares, de 24 anos, que encontrou assim a resposta à vontade de se fazer útil durante a pandemia: “Desde que começou a quarentena que eu comecei a procurar missões ou grupos que precisassem de voluntários para ajudar no que fosse preciso, seja em lares, seja em grupos para apoio a sem-abrigo.”

“Descobri esta missão pelo Instagram e, inconscientemente, inscrevi-me logo. Havia uma reunião por Zoom, onde nos foi explicado o que se ia passar e a ajuda que era necessária e eu aceitei continuar este processo de forma um bocado inconsciente ainda, mas com toda a certeza que o queria fazer. Não estava a contar ser logo chamada, apesar de querer imenso, mas fui”, recorda.

Ao contrário do primeiro grupo a ir para o lar, o cenário encontrado pelo grupo da Inês foi mais tranquilo: “Foi sem dúvida muito mais facilitado, porque existiu um grupo anterior que cá veio e que, esse sim, encontrou um cenário mais caótico e que, em conjunto com a equipa técnica que continuava no lar, conseguiram fazer grandes mudanças para que o trabalho fosse mais facilitado. Por isso, já estava tudo pronto para nos receber e bastou seguir o que o grupo anterior nos tinha deixado.”

“No turno da noite, o que se fazia era medir sinais vitais e compreender se todos os infetados estavam com possíveis sintomas, para depois esses serem transmitidos aos enfermeiros. No turno da tarde, dava-se banhos, mudavam-se as fraldas que fossem necessárias, fazia-se pequenas atividades com os idosos, jogar cartas, fazer bolos, fazer desenhos, cantar músicas, por aí. No fundo, alguns cuidados de saúde não muito intrusivos, mas também alguns cuidados mais emocionais, porque sem dúvida que também era uma coisa de que estavam mesmo a precisar”, explica.

Apesar de os voluntários serem todos de baixo risco, foram tomadas todas as cautelas para que não houvesse contágio.

“Tínhamos de ter todos os cuidados necessários para vestir o nosso equipamento de proteção, tínhamos de seguir todos os passos que eram indicados pela DGS e tínhamos todo o material disponível para garantir esses passos. O uso de fato, de viseira, de máscara, de luvas, de proteção de calçado, isso era tudo obrigatório e necessário e era tudo cumprido à risca. Também não podíamos, durante o turno, que era de oito horas, despir o equipamento, seja por que razão fosse. Não podíamos ir à casa de banho a meio do turno, alimentar-nos ou beber água. Mas fazia-se com tranquilidade e sempre a pensar nos idosos que estávamos a ajudar, que também estavam a sofrer e que precisavam de ajuda e isso tornou a situação mais fácil”, diz ainda a Inês.

De Lisboa, a partir de onde todos os voluntários eram formados e coordenados, havia a preocupação com os idosos, mas também com os jovens. “Uma das maiores alegrias que tivemos foi quando no final da primeira missão todos os voluntários foram testados e deram negativo. Foi uma sensação muito boa e reforçou a nossa confiança de que de facto é possível que as missões sejam feitas com total segurança. Isto garantiu vale a pena e é possível, se as coisas forem bem feitas e se os voluntários forem formados e com vontade conseguirem cumprir o objetivo de amar e de cuidar destes idosos e dar-lhes mais dignidade. E, ao mesmo tempo, fazê-lo de maneira segura e acabarem a missão sabendo que foi uma missão cumprida e que valeu a pena”, explica Rita.

Centenas de voluntários e ainda mais idosos

A rapidez de reação dos fundadores do COmVIDas levou muitas outras instituições a recorrer à sua ajuda. Atualmente estão a decorrer, ou já terminaram, sete missões, envolvendo um total de 88 voluntários, numa mão cheia de lares. Há ainda outras cinco missões em preparação, que contarão com outros 32 voluntários. O número de idosos que já foram cuidados por estas equipas é de 410, sem contar com os dos lares cujas missões ainda não começaram.

Cada missão é composta por duas partes. Quinze dias no lar, a ajudar a tratar dos idosos, e outros quinze em quarentena. Ao todo, é um mês longe das famílias. Inês, que ainda vive com os pais, diz que se sentiu apoiada.

“Os meus pais apoiaram-me nesta decisão, se calhar mais reticentes ao início, mas terá sido mais pela situação de saber onde ia ficar e se teria toda a segurança. Assim que perceberam o que era o projeto e a dinâmica que existia aqui em Foz Côa, acho que facilmente confiaram e acreditaram que seria bom eu vir para cá ajudar”, explica a jovem, que na altura em que falou com a Renascença estava ainda a terminar a quarentena.

Apesar de, para muitos, a vida estar a regressar ao normal, há muitos lares que continuam a pedir ajuda e o COmVIDas continua à procura de candidatos a voluntariado, bem como de donativos para ajudar a cobrir as despesas, que são muitas.

“Para conseguirmos cumprir tudo isto temos algumas despesas e que estão maioritariamente relacionadas com o custo das deslocações, alimentação e proteção dos nossos voluntários, que ao partir para o terreno rondam mais ou menos os 700 euros por voluntário, por missão”, explica Rita Almeida e Brito.

“Este custo pode baixar drasticamente se tivermos ajudas em géneros, nomeadamente no que toca ao material de proteção, sobretudo aos fatos completos, aos equipamentos de proteção individual que são necessários e recomendados pela DGS para que os nossos voluntários possam atuar no terreno da forma mais segura possível. Também são bem-vindas todas as outras ajudas em géneros, sobretudo no que respeita a baixar os custos de deslocações, uma vez que pretendemos dar apoio a instituições a nível nacional, sobretudo às instituições no interior do país, onde acreditamos que os recursos são muito escassos”, acrescenta.

“Claro que se não puderem dar em género agradecemos muito todos os donativos que nos puderem dar e que rapidamente transformamos em material de proteção”, conclui.

Toda a informação sobre o projeto e como ajudar encontra-se no site do grupo, que também tem contas nas diferentes redes sociais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.