|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Brasil

Sergio Moro. "Verdade foi exposta" em vídeo em que Bolsonaro interfere na Polícia Federal

23 mai, 2020 - 16:32 • Redação

Sergio Moro congratula-se com divulgação de vídeo de uma reunião em que Bolsonaro falou explicitamente em "interferir na Polícia Federal".

A+ / A-

O antigo ministro da Justiça brasileiro, Sergio Moro, considera que "a verdade foi dita, exposta em vídeo", perante a divulgação de um vídeo me que o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, aparenta expressar intenção de interferir na autonomia da Polícia Federal (PF).

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello decidiu tornar público o vídeo de uma reunião em que Bolsonaro falou explicitamente em "interferir na Polícia Federal" e que não ia esperar consequências na sua família ou amigos para tomar medidas.

"A verdade foi dita, exposta em vídeo, mensagens, depoimentos e comprovada com factos posteriores, como a demissão do diretor-geral da PF e a troca na superintendência do RJ [Rio de Janeiro]. Quanto a outros temas exibidos no vídeo, cada um pode fazer a sua avaliação", escreveu Moro, no Twitter, em reação à divulgação do vídeo.

Moro deixou o governo brasileiro depois de Bolsonaro ter pressionado para fazer alterações na Polícia Federal do Rio de Janeiro, com o objetivo de interferir na organização, o que viola a independência da Polícia Federal. Bolsonaro alega que só tentou impedir que plantassem provas em casa de um dos filhos. Moro respondeu ao argumento:

"Não cabe ao Ministro da Justiça obstruir investigações da Justiça Estadual, ainda que envolvam supostos crimes dos filhos do Presidente. As únicas buscas da Justiça Estadual que conheço deram-se sobre um filho e um amigo em dezembro de 2019 e não cabia a mim impedir."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.