|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Covid-19

Laboratório dos filhos de Menezes e Fernando Gomes erra nos testes aos jogadores de V. Guimarães e Famalicão

23 mai, 2020 - 08:00 • Cristina Nascimento

Médicos dos clubes questionaram tantos casos positivos. Atletas acabaram por repetir o teste no Hospital de São João.

A+ / A-

Veja também:


Oito jogadores do Vitória de Guimarães e do Famalicão a quem tinha sido diagnosticado Covid-19 afinal não estão infetados. Segundo o jornal “Expresso”, dos 11 jogadores destes dois clubes que testaram positivos, apenas dois – um do Guimarães e outro do Famalicão – estão realmente doentes.

A denúncia foi feita ao semanário por um médico do Hospital de São João. Os atletas visados acabaram por repetir o teste e foi nessa altura que descobriram o erro.

O laboratório de análises, uma empresa multinacional, é liderado em Portugal pelo filho de Luis Filipe Menezes, antigo autarca do PSD de Gaia, e também pelo filho do presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes.

A Unilabs fez, há cerca de 10 dias, 11 testes aos jogadores dos dois clubes. Em Guimarães foram identificados três positivos e um inconclusivo e em Famalicão sete positivos. O resultado foi correto apenas em dois casos positivos, detetados em ambos os clubes.

Ao jornal “Expresso” o laboratório nega a existência de falhas nos procedimentos, mas confirma que “houve médicos de clubes a perguntarem porque havia tantos positivos”, diz o diretor técnico da Unilabs, António Maia Gonçalves.

Até ao momento, Direção-Geral da Saúde (DGS) contabilizou 1.289 mortos associados à covid-19 em 30.200 casos confirmados de infeção.

Portugal entrou no dia 3 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.