|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

II Liga. Cova da Piedade recorre da despromoção

23 mai, 2020 - 20:31 • Lusa

Campeonato profissional não chegou ao fim devido à pandemia do novo coronavírus.

A+ / A-

O recurso do Cova da Piedade à despromoção do clube ao Campeonato de Portugal deu entrada esta semana no Conselho de Justiça (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), confirmou à Lusa o advogado da SAD piedense.

O documento deu entrada na sexta-feira no CJ e tem efeitos suspensivos sobre a decisão da direção da Liga, que em 5 de maio aprovou a despromoção do Cova da Piedade e do Casa Pia, penúltimo e último classificados da II Liga no momento da interrupção do campeonato devido à pandemia de Covid-19.

Caso o CJ da FPF decida indeferir o recurso, os piedenses deverão avançar, então, para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD), uma questão que não se coloca neste momento em função do efeito suspensivo do recurso entregue esta semana.

Em 5 de maio, após confirmar o fim definitivo da época de 2019/20 da II Liga, a direção da Liga de clubes aprovou “por unanimidade” a despromoção do Cova da Piedade e do Casa Pia, assim como a promoção do Nacional e do Farense, o que também levou o Marítimo a avançar com um recurso para o TAD, em 15 de maio.

No momento da interrupção da II Liga, após 24 jornadas, o Casa Pia ocupava o 18.º e último lugar, com 11 pontos, e o Cova da Piedade o 17.º e penúltimo, com 17. O Vilafranquense era a primeira equipa a salvo da despromoção, com 24.

No plano de desconfinamento, devido à pandemia de Covid-19, o Governo definiu que a I Liga de futebol e a final da Taça de Portugal vão poder ser disputados, permitindo também desportos individuais ao ar livre, excluindo a continuidade da II Liga.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.