|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19

Governo avalia incentivos financeiros para recuperar atos médicos cancelados

23 mai, 2020 - 16:37 • Lusa

Entre 16 de março e fim de abril ficaram por realizar 51 mil cirurgias e 540 mil consultas hospitalares. Ministra da Saúde quer alterar funcionamento das Unidades de Saúde familiar.

A+ / A-

Veja também:


A ministra da Saúde disse, este sábado, que está a estudar incentivos financeiros que permitam recuperar as consultas, exames de diagnóstico e cirurgias canceladas devido à pandemia, e defendeu alterações no funcionamento das Unidades de Saúde familiar.

“Temos estado a trabalhar num plano de identificação de toda a atividade suspensa e estamos a preparar um plano que permita o incentivo financeiro de recuperação da atividade”, afirmou Marta Temido na conferência de imprensa diária para fazer o ponto de situação da covid-19, realizada no Ministério da Saúde, em Lisboa.

Segundo os últimos dados disponíveis, entre 16 de março e fim de abril ficaram por realizar 51 mil cirurgias, 540 mil consultas hospitalares, 840 mil consultas de Medicina Geral e Familiar e 990 mil consultas de enfermagem.

A recuperação dos atos médicos cancelados é, nas palavras da ministra, “um dos focos de atividade” do Governo, que está a preparar “um conjunto de documentos orçamentais e iniciativas” para responder à atividade médica que sofreu perturbações devido à pandemia por covid-19.

Além da disponibilização de mais verbas para o Serviço Nacional de Saúde, Marta Temido também defendeu alterações no funcionamento na área da saúde geral e familiar, com recurso às novas tecnologias.

A ministra apontou como exemplo a alteração do método de trabalho que ocorreu na Unidade de Saúde Familiar de Ovar.

Naquela USF, que já retomou a atividade presencial, “o método de trabalho foi totalmente alterado”, passando-se a privilegiar o contacto telefónico ou eletrónico dos utentes, evitando-se deslocações desnecessárias ao local.

“Quando estes meios não são suficientes ou adequados os utentes podem deslocar-se à unidade de saúde, não correm riscos, ficam foram do equipamento até serem chamados e são cumpridos todos os requisitos de higiene e segurança”, acrescentou.

Segundo a ministra, as alterações de funcionamento implementadas na USF de Ovar “é o tipo de metodologia” que é preciso “garantir no SNS” para que possam ser recuperados alguns dos atos médicos cancelados ou adiados.

Portugal contabiliza 1.302 mortos associados à covid-19 em 30.471 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais 13 mortos (+1%) e mais 271 casos de infeção (+0,9%).

O número de pessoas hospitalizadas baixou de 576 para 550, das quais 80 em unidades de cuidados intensivos (menos quatro).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.