Tempo
|
A+ / A-

Portugal vai comprar mais 500 mil vacinas para a gripe do que em 2019

22 mai, 2020 - 14:22 • Redação

“A próxima época gripal é crítica", afirma o secretário de Estado da Saúde.

A+ / A-

Veja também:


O Ministério da Saúde vai reforçar o stock de vacinas contra a gripe para o próximo inverno. O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, anunciou esta sexta-feira que Portugal pretende adquirir dois milhões de vacinas para a gripe, ou seja, mais 500 mil doses do que as que foram compradas para o inverno que passou, o que representa um aumento de 34%.

“A próxima época gripal é crítica do ponto de vista da carga de doença resultante de duas epidemias em simultâneo. Espero um aumento da procura das vacinas por parte dos grupos de risco e população em geral”, explicou Lacerda Sales, garantindo que Portugal se está a preparar para o pior, embora espere o melhor.

Há uma semana, o bastonário da Ordem dos Médicos deixava, na Renascença, o aviso para a urgência de comprar as vacinas para o próximo ano.

“Este é o momento de Portugal fazer a sua reserva porque daqui a uns meses pode ser tarde demais”, afirmava Miguel Guimarães, considerando que a vacina pode prevenir o aumento do número de doentes com gripe sazonal, durante uma eventual segunda vaga de Covid-19. Por outro lado, dada a semelhança de alguns sintomas da Covid-19, pode “permitir a redução dos testes para deteção do novo coronavírus”.

Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, a barreira dos 30 mil infetados pelo novo coronavírus. O registo é de 1.289 mortos (mais 12 que na quinta-feira) e 30.200 casos (mais 288, aumento de 1%, o valor mais alto desde 8 de maio), segundo o boletim da Direção-Geral de Saúde (DGS).

O relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24h00 de quinta-feira, indica que há 7.590 pessoas recuperadas da Covid-19, mais 1.138 que no dia anterior (o segundo número mais alto desde o início da pandemia - pico a 18 de maio, com 1.794). O número de recuperados num dia ultrapassa o de novos casos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.