|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Coronavírus

Estes enfermeiros foram infetados a combater a Covid-19 e ficaram sem salário

22 mai, 2020 - 20:49 • Pedro Mesquita , Filipe d'Avillez

A denúncia foi feita pela Ordem dos Enfermeiros, mas a Renascença conseguiu falar com os profissionais que estão sem receber, nem dos hospitais nem da Segurança Social.

A+ / A-

Há enfermeiros, com contrato individual de trabalho, que contraíram a Covid-19, entraram em quarentena, mas ficaram sem qualquer tipo de rendimento.

Por lei, deveriam receber 70% do salário, via Segurança Social, mas até agora não receberam nada.

A denuncia partiu da Ordem dos Enfermeiros mas a Renascença dá agora rosto às queixas.

Ana Rita Mota é enfermeira no Centro Materno Infantil do Porto há 19 anos. A vida mudou desde que ficou infetada, e não apenas no plano da saúde.

“No início do mês de abril iniciei sintomas. O teste foi positivo e desde então mantive-me em casa em isolamento. Há 50 dias que estou em isolamento”, explica.

“A única remuneração que tive foi referente aos primeiros 15 dias de abril, 600 euros, e desde então estou sem salário.”

Segundo esta enfermeira, a Segurança Social tem dito que os atestados médicos foram indiferidos, o que a deixa perplexa. “Ainda estou positiva. Os meus atestados são todos passados corretamente, pelo Centro de Saúde, e não consigo perceber porque é que foram indiferidos.”

“Neste momento não tenho resposta e vejo-me numa situação em que tenho imensas contas por pagar e não tenho qualquer tipo de salário”, conclui.

O mesmo se passa com o enfermeiro Tiago Costa, dos Hospitais da Universidade de Coimbra. Recebeu apenas 60 euros, e não foi da Segurança Social.

“Eu soube que tinha Covid no dia 28 de março. O último teste que fiz, que veio negativo, foi no dia 28 de abril. Este mês não recebi nada da Segurança Social. Os 60 euros que recebi são relativos a suplementos de meses passados”, diz.

Por fim, Cátia Tavares, também de Coimbra, deveria receber da Segurança Social no final deste mês, mas diz que o processo ainda não deu entrada.

“Foi a 25 de março o primeiro teste positivo e recebi apenas o vencimento em abril. O mês de maio não recebi nada. Devia receber a 28 da Segurança Social, mas não tenho baixa ainda processada”, explica.

“Pelo que sei, as baixas estão a demorar a dar entrada na Segurança Social. Eu tenho dois filhos em casa, menores, vive-se com aquilo que se vai juntando durante o resto do ano, e vamos fazendo o que podemos.”

Se a falha está nos hospitais, na Segurança Social ou em ambos, é um dado que falta ainda esclarecer, mas confrontado pelos jornalistas com a denuncia da Ordem dos Enfermeiros, o Secretário de Estado da Saúde prometeu averiguar o que se passa.

“Com toda a frontalidade e lealdade, nós não temos conhecimento dessa situação relativamente à denúncia da Ordem dos Enfermeiros. De qualquer das formas iremos avaliar e analisar, perceber junto das respetivas instituições e administrações regionais de saúde se há alguma fundamentação e, se não houver, obviamente corrigir”, promete.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    22 mai, 2020 21:23
    E ninguém pergunta sobre isto ao primeiro-ministro? É que ele só faz propaganda: é o "milagre" português no Covid; é o dinheiro a chegar às empresas; é o plano alimentar para acorrer a dificuldades, etc., etc. É uma indecência o que se está a passar com estes enfermeiros. É uma indecência que os reembolsos do IRS para quem apresentou a declaração em 1 de Abril ainda não tenham chegado aos contribuintes. É uma indecência que, para excluir empresas dos apoios se inventem dívidas à Seg. Social, que obrigam os pretensos devedores a exibir os comprovativos de pagamento. Aqui trata-se, claramente, de um expediente usado para retardar os pagamentos a quem os solicita. E não há ninguém (jornalistas) que interpele esta gente que anuncia medidas mas nada faz na realidade. Que Estado é este? o que qualifica esta gente para o exercício de funções governativas?