|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Brasil

Supremo Tribunal Federal divulga vídeo em que Bolsonaro revela interferir na Polícia Federal

22 mai, 2020 - 21:49 • Redação

Interferência ilegal de Bolsonaro levou à saída do ministro da Justiça, Sérgio Moro, que lançou as acusações a Bolsonaro.

A+ / A-

Celso de Mello, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu tornar público o vídeo da reunião que o antigo ministro da Justiça, Sérgio Moro, indicou como prova que Jair Bolsonaro queria interferir na autonomia da Polícia Federal.

O magistrado recusou o pedido do governo e da Procuradoria-Geral da República, que pediam que Mello apenas divulgasse as partes do encontro que poderiam ter envolvimento no inquérito em questão.

Na reunião, Bolsonaro falou explicitamente em "interferir na Polícia Federal" e que não ia esperar consequências na sua família ou amigos para tomar medidas.

"Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro oficialmente e não consegui. Isso acabou. Eu não posso trocar alguém da segurança da ponta de linha que pertence à estrutura. Vai trocar, se não puder trocar, troca o chefe dele, troca o ministro. E ponto final. Não estamos aqui para brincadeira", afirmou Jair Bolsonaro.

De acordo com declarações reproduzidas na imprensa brasileira, Celso de Mello explicou o motivo para ter divulgado o vídeo.

"Traduz consequência natural do dogma constitucional da publicidade, que confere, em regra, a qualquer pessoa a prerrogativa de conhecimento e acesso à informação, atos e aos precedimentos que envolvam matéria de interesse público".

O magistrado diz que há falta "ética" das pessoas que participaram na reunião pelas "expressões indecorosas, grosseiras e constrangedoras".

Sergio Moro deixou o governo brasileiro depois de Bolsonaro ter pressionado para fazer alterações na Polícia Federal do Rio de Janeiro, com o objetivo de interferir na organização, o que viola a independência da Polícia Federal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.