Tempo
|
A+ / A-

​Seat desconfinou o novo Leon

22 mai, 2020 - 18:20 • José Carlos Silva

Novo Seat Leon estará à venda partir de junho. A Renascença já conduziu a nova aposta do construtor de Martorell.

A+ / A-

Depois de alguns meses, as marcas automóveis preparam-se para retomar as apresentações aos seus modelos automóveis. A Seat ganha a dianteira, ao apresentar a nível nacional no novo Leon, na casa dos jornalistas da especialidade. Uma jogada de marketing para vencer os efeitos negativos da Covid-19 num mercado muito afetado pela pandemia.

O ano passado, o Leon foi o modelo mais vendido pela Seat. E desde 1999, em três gerações, o construtor de Martorell vendeu 2,3 milhões de unidades.

O novo Leon é maior que o seu antecessor em 86 milímetros, é mais largo 50 mm, e é mais baixo 3 mm. Com um design “made in Spain” apostou em evoluir os traços da 3.ª geração, com grupos óticos estreitos, e na traseira, interligados por um feixe luminoso.

O novo modelo, herda muito do seu antecessor, e apesar de em estreia nacional, passa despercebido na estrada.

Experimentámos o novo Leon durante três horas nas estradas da Serra da Arrábida. Um motor de 1.5 híbrido, com 150 cavalos de potência. As notas vão para um chassis muito competente, um propulsor agradável de explorar, e uma caixa igualmente de resposta rápida.

Os bancos traseiros impressionam pela distância disponível para as pernas dos passageiros, que ficam muito afastadas dos bancos da frente, o que nem sempre sucede com alguns modelos do mesmo segmento.

Os interiores são de boa qualidade, e os plásticos mais duros estão em zonas onde poucas vezes serão tocados.

Um pormenor interessante: a grelha exterior trapezoidal, tem réplicas de pequena dimensão nos difusores de ar no interior do carro. É um pormenor que denota o cuidado que a marca teve no novo Seat Leon que estará à venda partir de junho com preços a partir de 24.907 Euros.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.